FSH

Compartilhe esta página
Imprimir este artigo
Esta página foi útil?
Nome formal: Hormônio folículo-estimulante

De relance

Por que fazer este exame?

Para avaliar a função hipofisária, particularmente no que diz respeito a problemas relacionados à fertilidade.

Quando fazer este exame?

Se você estiver apresentando dificuldade para engravidar ou irregularidade menstrual; quando seu médico considera que você tem sintomas de distúrbio hipofisário ou hipotalâmico ou, ainda, de doença ovariana ou testicular; se o médico suspeita que uma criança esteja com maturação sexual atrasada ou adiantada.

Amostra:

Uma amostra de sangue coletada de uma veia do braço; algumas vezes uma amostra aleatória de urina ou urina coletada no período de 24 horas

A amostra

O que está sendo pesquisado?

O hormônio folículo-estimulante (FSH) é produzido pela adeno-hipófise localizada no encéfalo. O controle na produção de FSH é um sistema complexo que envolve hormônios produzidos pelas gônadas (ovários ou testículos), pela própria hipófise e pelo hipotálamo.

Nas mulheres, o FSH estimula o crescimento e a maturação dos folículos (óvulos) durante a fase folicular do ciclo menstrual. Este é dividido em duas fases: folicular e lútea, por onda de FSH e hormônio luteinizante (LH) no meio do ciclo. A ovulação ocorre logo após essa onda hormonal. Durante a fase folicular, o FSH dá início à produção de estradiol pelo folículo, e os dois hormônios atuam em conjunto no desenvolvimento do óvulo. Durante a fase lútea, o FSH estimula a produção de progesterona. Ambos, estradiol e progesterona, ajudam a hipófise a controlar a quantidade de FSH produzida. O FSH também facilita a resposta dos ovários ao LH. Quando ocorre a menopausa, os ovários param de funcionar e o nível de FSH aumenta.

Nos homens, o FSH estimula os testículos a produzirem espermatozoides maduros além de promover a síntese de proteínas ligantes de andrógenos. Os níveis de FSH se mantêm relativamente constantes nos indivíduos do sexo masculino após a puberdade.

Nos bebês que estão amamentando lactentes e nas crianças, os níveis de FSH aumentam logo após o nascimento para decair a níveis muito baixos ao redor de seis meses nos meninos e 1 a 2 anos nas meninas. Por volta dos seis a oito anos de idade, no início da puberdade, os níveis voltam a subir quando ocorre o desenvolvimento das características sexuais secundárias.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue coletada de uma veia do braço. Algumas vezes, utiliza-se uma amostra aleatória de urina. Também é possível realizar o teste em amostra de urina de 24 horas caso o médico queira medir o FSH produzido ao longo de 24 horas. O FSH é liberado de forma intermitente ao longo do dia e a coleta de urina de 24 horas elimina os problemas relacionados com essa variação. Em uma amostra isolada e aleatória de urina é possível que a atividade real do hormônio não esteja bem representada.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, and Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não há necessidade de preparo para o teste.

O exame

Perguntas frequentes

Pergunte ao laboratório

* indica um campo necessário



Por favor, indique se você é:   
  
  



Você deve fornecer um endereço de e-mail válido para receber uma resposta.



| |

Fontes do artigo

« Voltar para páginas relacionadas

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

S1
Corbett, JV. Laboratory Tests & Diagnostic Procedures with Nursing Diagnoses, 4th ed. Stamford, Conn.: Appleton & Lang, 1996. pp. 429-431, 726.

S2
Clinical Guide to Laboratory Tests. 3rd ed. Tietz N, ed. Philadelphia: W.B. Saunders & Co; 1995: 248-249, 210-211.

S3
The InterNational Council on Infertility Information Dissemination, “PCOS in Pediatrics: When and How Does it Start? Originally written and presented by Silva Arslanian, MD, Children's Hospital of Pittsburgh, Pittsburgh, PA; summarized in online version by Christine M. Schroeder, PhD. Available at: http://www.inciid.org/pcos/PCOS-pediatrics.html

S4
Gonadotropins: Luteinizing and Follicle Stimulating Hormones. Available at: http://arbl.cvmbs.colostate.edu/hbooks/pathphys/endocrine/hypopit/lhfsh.html

S5
Blondell RD, Foster MB, Kamlesh CD. Disorders of Puberty. American Family Physician, July 1999 (online publication). Available at: http://www.aafp.org/afp/990700ap/209.html

S6
Hormone Society. Fact Sheet on Female Infertility. Available at: http://www.endo-society.org/pubrelations/patientInfo/infertility.htm

S7
The Hormone Foundation. Fact sheet on Polycystic Ovary Syndrome (PCOS). Available at: http://www.hormone.org/pcos_factsheet.html

S8
Laurence M. Demers, PhD. Distinguished Professor of Pathology and Medicine, The Pennsylvania State University College of Medicine, The M. S. Hershey Medical Center, Hershey, PA

S9
A Manual of Laboratory & Diagnostic Tests. 6th ed. Fischbach F, ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2000.

S10
Pagana K, Pagana T. Mosby's Manual of Diagnostic and Laboratory Tests. St. Louis: Mosby; 1998.

S11
Davis B, Mass D, Bishop M. Principles of Cinical Laboratory Utilization and Consultation. Saunders; 1999.

S12
Thompason, Sharon. LH response to GnRH. (Updated Aug 2005) MedlinePlus (online information). Available at: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/print/ency/article/003709.htm

S13
Neely EK, Wilson DM, Lee PA, Stene M, Hintz RL (July 1995). Spontaneous serum gonadotropin concentrations in the evaluation of precocious puberty. J Pediatric 127(1):47-52 from PubMed. Available at: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt=Abstract&list_uids=7608810

S14
Nirupama Kakarla, M.D.; Karen D. Bradshaw, M.D. (Posted 03/05/2004.) Disorders of Pubertal Development: Precocious Puberty. From Seminars in Reproductive Medicine 21(4):339-351 from Medscape. Available at: http://www.medscape.com/viewarticle/468259

S15
Brito VN, Batista MC, Borges MF, Latronico AC, Kohek MB, Thirone AC, Jorge BH, Arnhold IJ, Mendonca BB. (1999 Oct) Diagnostic value of fluorometric assays in the evaluation of precocious puberty. J Clin Endocrinol Metab. 84(10):3539-44. Available online

S16
Sheehan, M (Dec 2003). Polycystic Ovarian Syndrome: Diagnosis and Management. Clinical Medicine and Research, 2(1): 13-27. Available at: http://www.pubmedcentral.gov/articlerender.fcgi?artid+1069067