Doenças pulmonares

Compartilhe esta página
Imprimir este artigo
Esta página foi útil?

Doenças pulmonares

Doenças pulmonares afetam a função dospulmões de diversos modos. Em alguns casos, são prejudicadas as trocas gasosas entre os alvéolos e o sangue, o que impede a absorção adequada de oxigênio e a remoção do dióxido de carbono. Em outros, o sistema brônquico não distribui o ar até os alvéolos, devido a bloqueios da árvore brônquica ou a dificuldade de contração dos músculos respiratórios. Algumas vezes, o problema é a incapacidade de remover substâncias estranhas acumuladas.

Doenças pulmonares comuns incluem:

Asma é uma doença pulmonar crônica caracterizada por inflamação dos brônquios e dos bronquíolos e crises de obstrução das vias aéreas. Quem sofre de asma é sensível a uma variedade de substâncias que não causam a mesma reação em pessoas sem esse problema. As crises podem ser desencadeadas por fumaça de cigarro ou outras partículas no ar, poeira, mofo, alergênios, exercícios, ar frio e outras causas. Os fatores desencadeantes variam entre pessoas. Durante a crise, o revestimento das vias aéreas se espessa e os músculos brônquicos se contraem, dificultando a passagem do ar. A secreção de muco prejudica mais ainda o fluxo, tornando a respiração difícil e gerando sibilos. A maioria das crises não causa lesão pulmonar permanente, mas com frequência precisa de atenção médica imediata, porque a falta de oxigênio e o acúmulo de dióxido de carbono podem por a vida em risco.

Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é uma expressão usada para descrever o enfisema pulmonar e a bronquite crônica. Nesta, os brônquios sofrem inflamação e fibrose. No enfisema, os sacos alveolares são destruídos progressivamente. Nos dois casos, há dificuldade respiratória progressiva. O fumo é responsável pela maior parte das mortes associadas a DPOC. Outro fator de risco é a poluição do ar.

Fibrose pulmonar é uma doença pulmonar intersticial caracterizada por fibrose do tecido entre os sacos alveolares, inflamação dos alvéolos e enrijecimento dos pulmões. Tem diversas causas:

  • Exposição ocupacional ou ambiental a pequenas partículas, incluindo substâncias inorgânicas, como asbesto, carvão, berílio e sílica
  • Exposição repetida a substâncias orgânicas, como feno mofado, fezes de animais e poeira de grãos, pode causar pneumonite por hipersensibilidade e fibrose pulmonar.
  • Substâncias e medicamentos tóxicos para os pulmões
  • Radioterapia
  • Sarcoidose
  • Esclerose sistêmica e outros distúrbios autoimunes
  • Idiopática

Infecções podem afetar principalmente os pulmões, todo o corpo, incluindo os pulmões, ou se desenvolver na pleura, membrana que envolve os pulmões. Podem ser agudas ou crônicas, e ser causadas por bacterias, vírus ou, mais raramente, fungos. Pneumonia é uma inflamação pulmonar aguda provocada por diversos micro-organismos. Gripe é uma doença aguda sistêmica causada por vírus que inclui sintomas respiratórios. Tuberculose e micobacterioses atípicas são infecções crônicas vistas com mais frequência em pessoas imunodeprimidas, como pacientes com HIV/AIDS. As infecções por micobactérias se desenvolvem devagar e podem ser sistêmicas ou limitadas aos pulmões.

Câncer de pulmão é um crescimento descontrolado de células pulmonares. Há dois tipos principais: câncer de células pequenas e câncer de células não pequenas. Os pulmões também podem ser invadidos por células cancerosas provenientes de outros tecidos.

Hipertensão pulmonar se caracteriza por estreitamento dos casos sanguíneos pulmonares, dificultando a circulação e aumentando o esforço do coração. Pode coexistir com diversas doenças pulmonares e provocar insuficiência cardíaca.

Embolia pulmonar ocorre quando um coágulo formado nas veias das pernas ou da pelve é transportado pela circulação até obstruir um vaso sanguíneo dos pulmões, resultando em dor torácica aguda, falta de ar e tosse. Precisa de cuidados médicos urgentes, porque envolve risco de vida.

Displasia broncopulmonar é uma doença observada principalmente em bebês prematuros submetidos a oxigenioterapia ou ventilação mecânica prolongada, mas também é vista após toxicidade do oxigênio ou pneumonia. As vias aéreas sofrem inflamação e fibrose, e não se desenvolvem normalmente.

Síndrome de sofrimento respiratório do recém-nascido é um problema respiratório grave que ocorre em crianças nascidas mais de seis semanas antes do prazo previsto. Esses bebês prematuros não são capazes de produzir uma quantidade suficiente de surfactante, uma substância que protege os alvéolos. Sem surfactante, os pulmões não são capazes de se expandir normalmente, a as trocas gasosas são prejudicadas.

Síndrome de sofrimento respiratório do adulto é uma inflamação aguda difusa dos pulmões que ocorre após muitos tipos de lesão pulmonar, incluindo infecções virais ou bacterianas, sepse, traumatismos, transfusões múltiplas, abuso de drogas ou inalação de substâncias como água salgada ou fumaça.

Fibrose cística é uma doença hereditária que afeta os pulmões, o pâncreas e outros órgãos. O suor é salgado e é produzido um muco espesso que dificulta a respiração e a secreção pancreática, prejudicando a absorção de alimentos e causando desnutrição.

Deficiência de alfa-1 antitripsina é uma doença hereditária em que há deficiência de uma substância que protege os pulmões da ação de enzimas leucocitárias. Sem essa proteção, há lesão pulmonar e hepática progressiva, com enfisema e cirrose hepática.

Outros distúrbios não afetam os pulmões diretamente, mas prejudicam a respiração. Doenças neuromusculares, como miastenia grave, poliomielite, distrofias musculares, síndrome de Guillain-Barré e esclerose lateral amiotrófica (doença de Lou Gehrig), e distúrbios da coluna vertebral ou da caixa torácica podem dificultar os movimentos do tórax e restringir a respiração

« Anterior | Seguinte »