Como compreender seu laudo de exames

Compartilhe esta página
Imprimir este artigo
Esta página foi útil?

Laboratórios entregam laudos ao paciente ou ao médico, contendo resultados dos exames feitos e outros dados. Entretanto, não é fácil para o paciente ler ou entender esse relatório. Este artigo descreve os principais elementos de um laudo de exames laboratoriais e o que pode ser encontrado em cada parte. Apesar do aspecto desses laudos variar muito entre diferentes laboratórios, todos incluem alguns elementos comuns.

Alguns contêm informações administrativas:

  • Nome e número de identificação do paciente.
  • Nome e endereço do laboratório onde foi feito o exame. Os exames podem ser feitos em um laboratório anexo ao consultório médico, em um laboratório de uma clínica ou um hospital ou em um laboratório de referência.
  • Data da impressão do relatório, que pode ser diferente da data da colheita ou da data em que foram feitos os exames
  • Data do relatório. Data em que os resultados foram obtidos e relatados para o médico ou para o paciente.
  • Nome do médico ou da pessoa autorizada que solicitou os exames. Algumas vezes, o relatório contém nomes de diversos médicos que pediram uma cópia dos resultados. Por exemplo, um clínico geral e diversos especialistas.

Outros elementos decrevem as amostras e os exames feitos:

  • Amostra. Alguns exames podem ser feitos em diversos tipos de amostras. Por exemplo, proteínas podem ser medidas no sangue, na urina e no líquido cefalorraqueano, e os resultados em cada amostra têm significados diferentes.
  • Data e hora da colheita. Alguns resultados são afetados pelo dia e pela hora da colheita. Por exemplo, dosagens de medicamentos dependem da hora em que o medicamento foi tomado e da hora da colheita.
  • Número da amostra. Como diversas amostras podem ser colhidas do mesmo paciente, é necessário que cada uma seja identificada.
  • Nome do exame. É comum o uso de abreviações dos nomes de exames.
  • Resultados. Alguns resultados são expressos por números (resultados quantitativos), como a dosagem de colesterol; outros apenas como positivo ou negativo, como um teste de gravidez; e outros por texto, como o nome de um parasito encontrado nas fezes (resultados qualitativos).
  • Resultados anormais. Os laudos podem chamar a atenção para resultados anormais ou fora de uma faixa de referência.
  • Valores críticos. Resultados que indicam algum perigo iminente devem ser relatados imediatamente ao médico, e podem ser marcados no relatório, em geral com a data e a hora da comunicação.
  • Unidades de medida. Resultados quantitativos incluem a unidade de medida usada, que pode variar entre laboratórios, afetando a interpretação dos resultados.
  • Faixa ou intervalo de referência. Faixas de valores esperados em resultados “normais”, que pode variar entre laboratórios e com o método usado para fazer o exame. Para mais detalhes, veja o artigo Intervalos de referência - o que significam?.
  • Interpretação dos resultados. O laboratório pode descrever o que o resultado indica.
  • Estado da amostra. Informações relativas ao estado das amostras que não estão de acordo com os critérios de aceitação do laboratório. Por exemplo, amostras de sangue que não foram colhidas e armazenadas em condições ideais podem apresentar hemólise ou lipemia. Esses avisos são importantes porque afetam a interpretação dos resultados. Em alguns casos, o estado da amostra impede a análise, o exame não é feito e não é gerado um resultado.
  • Desvios de preparação para o exame. Alguns exames exigem procedimentos antes da colheita. Por exemplo, o laudo deve conter um aviso se o paciente não estava em jejum quando foi colhida uma amostra para dosagem de glicose.
  • Medicamentos usados pelo paciente. Como alguns resultados podem ser afetados por medicamentos, seu uso deve ser anotado no relatório.