Também conhecido como
ASO
ASLO
Nome formal
Antiestreptolisina O
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
22 de Maio de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para determinar se uma pessoa teve uma infecção recente por estreptococos do Grupo A; para auxiliar no diagnóstico de sequelas de infecções estreptocócicas, como febre reumática e glomerulonefrite

Quando fazer este exame?

Quando alguém tem febre, dor no peito, fadiga, falta de ar, edema ou outros sintomas associados a febre reumática ou a glomerulonefrite, principalmente quando uma pessoa teve inflamação recente da garganta sem confirmação de infecção estreptocócica no Gram ou na cultura.

Amostra:

Uma amostra de sangue obtida de uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Nenhuma.

O que está sendo pesquisado?

Este exame mede a quantidade no sangue da antiestreptolisina O, um anticorpo contra a estreptolisina O, uma toxina produzida por Streptococcus do Grupo A. A antiestreptolisina O e a anti-DNase B são os anticorpos mais comuns entre diversos produzidos pelo sistema imunológico em resposta a infecções por estreptococos do Grupo A.

Os estreptococos do Grupo A (Streptococcus pyogenes) são bactérias responsáveis por faringites estreptocócicas. Na maioria dos casos, as infecções estreptocócicas são identificadas, tratadas com antibióticos e resolvidas. Quando uma infecção desse tipo não provoca sintomas identificáveis e não se faz o tratamento, ou é tratada de maneira ineficaz, podem ocorrer complicações (sequelas) denominadas febre reumática e glomerulonefrite, principalmente em crianças jovens. Elas causam sintomas como febre, fadiga, falta de ar, palpitações, diminuição da diurese e presença de sangue na urina. Podem lesar o coração e causar insuficiência renal aguda, inchaço nas pernas (edema) e hipertensão arterial. Como esses sintomas podem ocorrer com diversos estados clínicos ou doenças, o exame antiestreptolisina O pode ser usado para determinar se eles resultam de uma infecção recente por estreptococos do Grupo A.

Para mais informações sobre febre reumática e glomerulonefrite, ver os links em Páginas relacionadas.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue obtida por punção de uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exameConselhos sobre exames de sangueConselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Nenhuma preparação é necessária.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O exame antiestreptolisina O é pedido isoladamente ou junto com o anti-DNase B para verificar se uma pessoa teve uma infecção estreptocócica recente. Na maioria dos casos, as infecções estreptocócicas são identificadas e tratadas com antibióticos e resolvidas. Em casos nos quais a infecção não causa sintomas identificáveis ou não é tratada, alguns pacientes (principalmente crianças jovens) podem desenvolver complicações (sequelas), denominadas febre reumática e glomerulonefrite. Portanto, o teste é solicitado se uma pessoa apresenta sintomas sugestivos de febre reumática ou glomerulonefrite com histórico recente de garganta inflamada ou infecção estreptocócica confirmada.

  • Quando o exame é pedido?

    O exame antiestreptolisina O é solicitado quando uma pessoa apresenta sintomas que podem ser causados por doenças associadas a uma infecção estreptocócica anterior. É pedido quando os sintomas emergem, em geral semanas após uma inflamação na garganta ou uma infecção de pele. Pode ser pedido duas vezes com um intervalo de 10 e 14 dias para determinar alterações do nível de anticorpos.

    Os sintomas da febre reumática incluem:

    • Febre
    • Edema e dor em mais de uma articulação, principalmente nos tornozelos, joelhos, cotovelos e pulsos, às vezes movendo-se de uma articulação para outra.
    • Nódulos pequenos e indolores sob a pele.
    • Movimentos rápidos e irregulares (coreia de Sydenham).
    • Erupção cutânea.
    • Inflamação cardíaca (cardite), que pode ser assintomática, mas também causa falta de ar, palpitações ou dor torácica.

    Os sintomas de glomerulonefrite incluem:

    • Fadiga, falta de energia
    • Diminuição da diurese
    • Sangue na urina
    • Erupção cutânea
    • Dor nas articulações
    • Edema generalizado
    • Hipertensão arterial

    O exame pode ser feito duas vezes, com amostras colhidas com duas semanas de intervalo, durante a doença e durante a convalescença, para detectar alterações dos níveis de anticorpos.

  • O que significa o resultado do exame?

    Os anticorpos antiestreptolisina O são detectados a partir de uma semana a um mês após uma infecção estreptocócica. Alcançam níveis máximos em 4 e 6 semanas após a infecção e permanecem detectáveis em níveis decrescentes durante vários meses após a cura.

    Se o exame for negativo ou positivo em concentrações muito baixas, é improvável que tenha havido uma infecção estreptocócica recente. Isso é especialmente verdadeiro se uma amostra colhida 10 a 14 dias mais tarde tiver um resultado igual ou se um exame anti-DNase também for negativo. Uma pequena porcentagem das pessoas com sequelas de infecções estreptocócicas não mostra títulos altos de antiestreptolisina O.

    Níveis de antiestreptolisina O altos ou crescentes indicam uma infecção estreptocócica recente. Níveis decrescentes indicam uma infecção curada.

    A antiestreptolisina O não prevê complicações da infecção estreptocócica, nem o tipo ou a gravidade de complicações que venham a ocorrer. Havendo sintomas de febre reumática ou de glomerulonefrite, um nível elevado de antiestreptolisina O pode ser usado para confirmar o diagnóstico.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Alguns antibióticos e corticosteroides podem diminuir os níveis de antiestreptolisina O.

  • A antiestreptolisina O pode ser usada para diagnosticar faringite estreptocócica?

    A pesquisa de estreptococos (Gram) no material da garganta é um exame rápido que permite diagnosticar faringite estreptocócica, podendo ser complementado com a cultura do mesmo material. Como resultados positivos da antiestreptolisina O demoram cerca de uma semana, ela não tem utilidade no diagnóstico da infecção aguda.

  • Quando alguém tem uma infecção estreptocócica, a antiestreptolisina O é sempre medida?

    Não. Em geral, o exame só é feito quando alguém apresenta sintomas sugestivos complicação e não foi realizada uma cultura para confirmar uma infecção prévia pela bactéria. Como a maioria das pessoas não tem estas complicações, o exame não é feito de rotina.

Fontes do artigo

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber's Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 98-99.

S3
Greco, F. (2005 April 29). ASO titer [10 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encylopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003522.htm

S4
(2001 October). Antistreptolysin O (ASO) Reagent Set, A Latex Slide Test [18 paragraphs]. Teco Diagnostics [On-line package insert]. Available online

S5
(2000 April). Trutest ASO [18 paragraphs]. True-Medix Diagnostics, Inc. [On-line package insert]. Available online

S6
Mylonakis, E. (2005 June 10, Updated). Rheumatic fever [15 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encylopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003940.htm

S7
Agha, I. (2004 January 19, Updated). Post-streptococcal GN [12 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encylopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000503.htm

S8
Cunningham, M. (2000 July). Pathogenesis of Group A Streptococcal Infections [19 paragraphs]. American Society for Microbiology [On-line journal]. Clin Microbiol Rev. 2000 July; 13(3): 470–511. Available FTP: http://www.pubmedcentral.nih.gov/articlerender.fcgi?tool=pubmed&pubmedid=10885988