Nome formal
Apolipoproteína A-I
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
26 de Maio de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para determinar se o indivíduo apresenta ou não níveis adequados de Apo A-I, especialmente se tem níveis diminuídos de HDL-C, e para auxiliar a determinar o risco de desenvolver doença arterial coronária (DAC).

Quando fazer este exame?

Quando o indivíduo tem hiperlipidemia e/ou história familiar de DAC ou doença vascular periférica, quando o médico quer avaliar o risco de desenvolver doença cardíaca,  para monitorar a eficácia de um tratamento para os lipídeos e/ou mudanças de estilo de vida.

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de uma veia do braço, sangue de uma punção no dedo ou calcanhar de um bebê.

O que está sendo pesquisado?

Apolipoproteínas são os componentes proteicos das lipoproteínas – complexos que transportam lipídios na corrente sanguínea. As apolipoproteínas fornecem a integridade estrutural às lipoproteínas e protegem os lipídeos que repelem a água (hidrofóbicos) no seu centro.

A maioria das lipoproteínas é rica em colesterol ou triglicerídeos e transporta os lipídeos no corpo, para consumo das células. A lipotroteína de alta densidade (HDL – o colesterol “bom”), entretanto, é como um táxi vazio. Ela vai para os tecidos, captura o excesso de colesterol e o transporta de volta para o fígado. Neste órgão, o colesterol é reciclado para utilização futura ou é excretado para a bile. O transporte reverso do HDL é a única maneira pela qual as células podem se livrar do excesso de colesterol. Ele ajuda a proteger as artérias e, se houver HDL suficiente presente, ele pode até mesmo reverter o acúmulo de placas gordurosas, que são os depósitos decorrentes da aterosclerose, que podem levar à doença arterial coronariana.

A apolipoproteína A é o motorista do táxi. Ela ativa as enzimas que carregam o colesterol dos tecidos para o HDL e permite que o HDL possa ser reconhecido e ligado aos receptores no fígado ao final do transporte. Há duas formas de apolipoproteína A: Apo A-I e Apo A-II. A primeira é encontrada em uma proporção maior que a Apo A-II (cerca de 3 para 1). A concentração de Apo A-I pode ser medida diretamente e tende a subir e a descer com os níveis de HDL. Isso levou alguns especialistas a pensar que a Apo A-I poderia ser um indicador melhor de risco aterogênico do que o teste HDL.

Deficiências de Apo A-I parecem se correlacionar bem com um risco aumentado de desenvolver doença arterial coronariana (DAC) e doença vascular periférica.

Como a amostra é obtida para o exame?

Em geral, a amostra de sangue é obtida de uma veia do braço. Como uma alternativa, particularmente em pacientes pediátricos, a amostra de sangue pode ser obtida por uma punção na ponta do dedo ou no calcanhar.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Nenhum preparo para o teste é necessário. Entretanto, como esse teste pode ser realizado ao mesmo tempo que  um  perfil lipídico completo, é possível que seja necessário manter jejum de, pelo menos, 12 horas.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O teste de Apo A-I pode ser pedido junto com outros testes lipídicos, como parte de um perfil para ajudar a determinar o risco de desenvolver DAC. Apesar de não ser solicitado rotineiramente, ele pode ser útil para pacientes com uma história pessoal ou familiar de doença cardíaca e/ou hiperlipidemia. Também podem ser medidos os níveis de Apo A-I para ajudar no diagnóstico de condições que causam deficiências de Apo A-I e para monitorar a eficácia de mudanças de estilo de vida e tratamentos para lipídeos.

  • Quando o exame é pedido?

    A Apo A-I pode ser medida quando o paciente tem uma história pessoal ou familiar de hiperlipidemia e/ou DAC prematura. O médico pode pedir este teste para investigar a causa de hiperlipidemia e/ou quando suspeita que ela ocorre devido a um distúrbio que esteja causando uma deficiência de Apo A-I.

    A Apo A-I pode ser solicitada junto com a Apo B-100 (Apo B) quando o médico deseja verificar a relação Apo A/Apo B — algumas vezes é usado como indicador de risco de DAC, basicamente mostrando a relação entre o “bom” e o “mau” colesterol.

    O médico pode solicitar a Apo A-I, junto com outros testes, quando o paciente se submeteu a um tratamento para a redução de lipídeos ou mudanças de estilo de vida — como uma dieta com diminuição de gorduras e aumento de exercícios regulares —, para monitorar a eficácia das mudanças.

  • O que significa o resultado do exame?

    O aumento de Apo-I normalmente não é um problema, mas os níveis diminuídos estão associados com níveis baixos de HDL e uma menor retirada do excesso de colesterol do corpo. Níveis diminuídos de Apo A-I, junto com concentrações aumentadas de Apo B-100, estão associados a um risco elevado de doença arterial coronariana.

    Há algumas desordens genéticas que levam a deficiências de Apo A-I — e, portanto, a níveis baixos de HDL. Pessoas com essas desordens tendem a apresentar hiperlipidemia e níveis elevados de lipoproteína de baixa densidade (LDL, o “mau” colesterol). Frequentemente, elas apresentam taxas aceleradas de aterosclerose.

    Apo A-I pode estar diminuída com:

    Apo A-I pode aumentar com:

    • Medicamentos e drogas como carbamazepina, estrogênios, álcool, lovastatina, niacina, contraceptivos orais, fenobarbital, pravastatina e simvastatina
    • Hiperalfalipoproteinemia familiar (um distúrbio genético raro)
    • Exercícios físicos
    • Gravidez
    • Redução de peso
    • Uso de estatinas
  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    A concentração de Apo A-I reflete a quantidade de HDL no soro. Como as mulheres tendem a ter um HDL mais elevado, elas também apresentam níveis mais elevados de Apo A-I.

    O teste Apo A-I não é solicitado rotineiramente. Os médicos ainda devem determinar a melhor utilização para a Apo A-I e outros marcadores de risco cardíaco emergentes — como a  Apo B-100, PCR-us e a Lp(a). Eles oferecem ao médico informações adicionais, em situações específicas, mas não substituem os testes lipídicos já disponíveis rotineiramente.

  • O que posso fazer para aumentar a minha Apo A-I?

    Exercícios regulares constituem a melhor maneira de aumentar o HDL e a Apo A-I. Você pode ajudar a diminuir seu risco de desenvolver doença cardíaca diminuindo a gordura de sua alimentação, mantendo o peso ideal e praticando atividades físicas.

Fontes do artigo

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

S3
Apolipoprotein A-1 [2 paragraphs]. ARUP's Guide to Clinical Laboratory Testing (CLT) [On-line information]. Available FTP: http://www.arup-lab.com/guides/clt/tests/clt_al67.htm#1142700

S4
Theoretical Biophysics Group (2001 February 19, Modified). HDL and Apo A-1 Structure Prediction [3 paragraphs]. NIH Resource for Macromolecular Modeling and Bioinformatics [On-line information]. Available FTP: http://www.ks.uiuc.edu/Research/apoa1/

S5
Hargrove, G.M., Junco, A., and Wong, N.C.W. (1999). Hormonal regulation of apolipoprotein AI [21 paragraphs]. Journal of Molecular Endocrinology 22, 103-111 [On-line Journal]. Available as PDF file: http://journals.endocrinology.org/jme/022/0103/0220103.pdf

S6
(2000 March). What Are Cholesterol, Other Lipids, And Lipoproteins? [55 paragraphs]. Northern Berkshire Health Systems, Health A to Z [Well-Connected Online report]. Available FTP: http://www.nbhealth.org/myhealthadviser/atoz/doc23.html

S7
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO., Pp 110-114.

S8
Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (2006). Contemporary Practice in Clinical Chemistry, AACC Press, Washington, DC. Winter, W. and Harris, N. Chapter 21: Lipoprotein Disorders, pp 251-259.

S9
O'Riordan, M. (2007 March 22). High Levels of Apolipoprotein A1 and HDL Associated With Reduced Risk of Recurrent VTE [7 paragraphs]. Heartwire — a professional news service of WebMD [On-line information]. Accessed on: Available FTP: http://www.medscape.com/viewarticle/554016

S10
Kasper DL, Braunwald E, Fauci AS, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL eds, (2005). Harrison's Principles of Internal Medicine, 16th Edition, McGraw Hill.