Também conhecido como
Dopamina
Epinefrina
Norepinefrina
Catecolaminas urinárias livres
Nome formal
Catecolaminas, plasmáticas e urinárias
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
26 de Maio de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Auxilia a diagnosticar ou descartar feocromocitoma ou outro tumor neuroendócrino.

Quando fazer este exame?

Quando o indivíduo apresentar sintomas de aumento da liberação de catecolaminas, como pressão arterial alta persistente ou episódica, dores de cabeça severas, aumento da frequência cardíaca e sudorese.

Amostra:

É coletada uma amostra de sangue de uma veia do braço ou uma amostra de urina de 24-horas

É necessária alguma preparação?

Estes exames são afetados por certos fármacos, alimentos e stress. Informe seu médico sobre quaisquer medicamentos que esteja tomando e siga as instruções de preparo recebidas antes da coleta da amostra.

 

O que está sendo pesquisado?

 

Catecolaminas-Glandula Adrenal

As catecolaminas são um grupo de hormônios semelhantes, produzidos na medula adrenal, na porção interna das glândulas adrenais. Estas são pequenos órgãos triangulares localizados acima de cada rim. As principais catecolaminas são dopamina, epinefrina (adrenalina) e norepinefrina. O exame de catecolaminas mede a quantidade desses hormônios no sangue e/ou urina.

As catecolaminas são liberadas na corrente sanguínea em resposta ao estresse físico ou emocional. Elas auxiliam na transmissão dos impulsos nervosos no cérebro, aumentam a liberação de ácidos graxos e glicose para energia, dilatam bronquíolos e pupilas. A norepinefrina também contrai os vasos sanguíneos, elevando a pressão arterial; a epinefrina aumenta a frequência cardíaca e o metabolismo. Após completar suas ações, os hormônios são metabolizados em compostos inativos. A dopamina se torna ácido homovanílico (HVA), a norepinefrina é metabolizada em normetanefrina e ácido vanilmandélico (VMA) e a epinefrina se torna metanefrina e VMA. Os hormônios e seus metabólitos são excretados na urina.

Normalmente, as catecolaminas e seus metabólitos estão presentes no corpo em pequenas quantidades variáveis, que só aumentam consideravelmente durante e logo após uma situação estressante. No entanto, os feocromocitomas e outros tumores neuroendócrinos, podem produzir grandes quantidades de catecolaminas, resultando em grandes concentrações dos hormônios e seus metabólitos, tanto no sangue quanto na urina. Isto pode levar a períodos de hipertensão episódica ou persistente, que podem causar fortes dores de cabeça. Outros sintomas de liberação de catecolamina incluem palpitações, sudorese, náuseas, ansiedade e formigamento nas extremidades.

Os feocromocitomas são raros e cerca de 90% deles estão localizados nas glândulas suprarrenais. Apesar de alguns feocromocitomas serem cancerosos, a maioria é benigna e não se espalha para além do local de origem. No entanto, se não tratados, podem continuar a crescer e os sintomas agravarem-se. Ao longo do tempo, a hipertensão causada pelo excesso de catecolaminas pode levar a danos renais, doença cardíaca e aumento do risco de acidente vascular cerebral ou infarto agudo do miocárdio.

Os exames de catecolaminas urinárias e plasmáticas podem ser usados para auxiliar na detecção de feocromocitomas. É importante diagnosticar e tratar esses tumores raros porque eles provocam uma forma potencialmente curável de hipertensão. Na maioria dos casos, os tumores podem ser removidos cirurgicamente e/ou tratados para reduzir significativamente a quantidade de catecolaminas produzidas e reduzir ou eliminar os sintomas e complicações associadas.

O exame de catecolaminas plasmáticas mede a quantidade de hormônios presentes no sangue no momento da coleta, enquanto o exame urinário mede a quantidade excretada no período de 24 horas.

Como a amostra é obtida para o exame?

Para a coleta de urina de 24 horas, toda a urina coletada no período de 24 horas deve ser guardada. É importante que a amostra seja refrigerada durante esse período.

As catecolaminas sanguíneas são coletadas pela inserção de uma agulha em uma veia do braço. Embora existam divergências sobre os detalhes de como a amostra deve ser coletada, pode ser necessário deitar-se e permanecer tranquilo por 15 a 30 minutos antes e durante a coleta de sangue. Em outras circunstâncias, o indivíduo pode apenas permanecer sentado,  com pouco ou nenhum período de descanso antes da coleta da amostra.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Tanto a catecolamina plasmática quanto a urinária são afetadas por certos fármacos (medicamentos), alimentos e estresse. Informe seu médico sobre as medicações que esteja tomando e siga as instruções recebidas, para assegurar que seja colhida uma amostra adequada. Pode ser necessário jejum para o exame de sangue

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O exame de catecolaminas é usado principalmente para ajudar a detectar ou descartar feocromocitomas em indivíduos sintomáticos. Também pode ser solicitado quando o feocromocitoma é removido para verificar se há recorrência. O exame de sangue é mais útil quando o indivíduo apresenta hipertensão persistente ou está vivenciando um episódio de hipertensão. Isto ocorre porque os hormônios não permanecem no sangue; eles são utilizados pelo organismo, metabolizados e/ou excretados. O exame de catecolaminas urinárias dosa a quantidade de catecolaminas liberadas em 24 horas. Como os níveis hormonais podem variar significativamente durante este período, o exame de urina pode detectar a produção excessiva não detectada pelo exame de sangue. Os exames plasmáticos e urinários podem ser solicitados juntos ou em separado, para detecção do excesso de catecolaminas e seus metabólitos.

    Uma vez que esses exames sofrem influência do uso de fármacos (medicamentos), alimentos e estresse, podem ocorrer resultados falso positivos. Por essa razão, o exame de catecolaminas não é recomendado para triagem da população geral. O resultado positivo será investigado pelo médico, que irá considerar o estresse do indivíduo, de modo a alterar ou minimizar eventuais influências e, então, repetir o exame para confirmar os achados iniciais.

    Eventualmente, os exames podem ser solicitados em um indivíduo assintomático (sem sintomas), quando um tumor adrenal ou neuroendócrino é detectado a partir de um exame realizado para outra finalidade, ou se o indivíduo apresenta forte histórico pessoal ou familiar de feocromocitoma.

  • Quando o exame é pedido?

    O exame de catecolaminas é solicitado quando o médico suspeita que o indivíduo apresenta feocromocitoma ou quer descartar essa possibilidade. Pode ser pedido quando a pessoa apresenta hipertensão persistente ou recorrente  associada a sintomas como dores de cabeça, sudorese, rubor e aumento da frequência cardíaca. Também pode ser solicitado quando o indivíduo apresenta hipertensão que não responde ao tratamento, uma vez que pessoas com feocromocitoma geralmente são resistentes às terapias convencionais.

    Eventualmente, o exame pode ser pedido quando um tumor adrenal é incidentalmente detectado ou se o indivíduo apresenta histórico familiar de feocromocitoma. O exame também pode ser usado como instrumento de monitorização, quando o paciente já tiver sido tratado por feocromocitoma.

  • O que significa o resultado do exame?

    Uma vez que o exame de catecolaminas é sensível a muitas influências externas e os feocromocitomas são raros, esse exame pode ter mais resultados falso positivos do que positivos verdadeiros. É indicada uma investigação mais aprofundada, caso um indivíduo assintomático (sem sintomas) apresente grande quantidade de catecolaminas no sangue ou urina. Doenças graves e estresse podem provocar aumentos temporários moderados ou elevados dos níveis de catecolaminas. O indivíduo deve ser avaliado como um todo – condições físicas, estado emocional, medicamentos e dieta. Depois que as substâncias e/ou condições interferentes são encontradas e resolvidas, o médico provavelmente repetirá o exame para determinar se as catecolaminas ainda estão elevadas. O médico pode também pedir um exame de metanefrina urinária e/ou sanguínea para confirmar os achados, além de exames de imagem, como ressonância magnética (RM), para auxiliar na localização do(s) tumor(es).

    Se os níveis de catecolaminas estiverem elevados em um indivíduo que apresentou feocromocitoma anteriormente, é provável que o tratamento não tenha sido efetivo, ou que haja recorrência do tumor.

    Se as concentrações de catecolaminas estiverem normais, tanto no plasma quanto na urina, é provável que o paciente não apresente feocromocitoma. No entanto, os feocromocitomas não produzem necessariamente níveis constantes de catecolaminas. Se a pessoa não apresentou um episódio recente de hipertensão, as concentrações sanguíneas e plasmáticas de catecolaminas podem estar normais ou próximas aos níveis normais, mesmo na presença de um feocromocitoma.

     

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Apesar dos exames de catecolaminas plasmáticas e urinárias ajudarem a detectar e diagnosticar os feocromocitomas, eles não informam a localização do tumor, nem se há mais de um, ou se o tumor é ou não benigno (embora a maioria seja). A quantidade de catecolaminas produzida não corresponde necessariamente ao tamanho do tumor. Esta é uma característica física do tecido tumoral. No entanto, a quantidade de catecolaminas produzidas tende a aumentar, à medida que o tumor aumenta de tamanho.

    Uma variedade de medicamentos pode interferir no exame de catecolaminas. Contudo, é importante conversar com o médico antes de interromper alguma medicação. O médico irá avaliar o indivíduo para identificar as substâncias e os medicamentos potencialmente interferentes, para determinar quais podem ser interrompidos com segurança e quais devem ser continuados, para o bem-estar do indivíduo. Algumas das substâncias que podem interferir no exame de catecolaminas incluem: acetaminofeno, aminofilina, anfetaminas, supressores do apetite, café, chá e outras formas de cafeína, hidrato de cloral, clonidina, dexametasona, diuréticos, epinefrina, etanol (álcool), insulina, imipramina, lítio, metildopa (Aldomet), inibidores de MAO (monoamino-oxidase), nicotina, nitroglicerina, gotas nasais, propafenona (Rythmol), reserpina, salicilatos, teofilina, tetraciclina, antidepressivos tricíclicos e vasodilatores. Os efeitos desses fármacos nos resultados das catecolaminas irão variar de pessoa para pessoa, e frequentemente não são previsíveis.

    Enquanto 90% dos feocromocitomas são encontrados nas glândulas adrenais, a maioria dos outros 10% é tipicamente encontrada na cavidade abdominal. A Organização Mundial da Saúde (OMS) usa o termo "paraganglioma extra-adrenal" para descrever tumores produtores de catecolaminas que não estão localizados nas glândulas adrenais.

     

  • Existe alguma maneira de evitar a formação do feocromocitoma?

    Não. Eles podem ser detectados e removidos mas não evitados. Na maioria dos casos, o tumor é benigno e, uma vez removido, não irá reincidir.

  • É realmente necessário coletar a urina de 24 horas?

    Sim. Para um resultado preciso é necessário que toda a urina seja coletada. Como as catecolaminas são liberadas em intervalos variáveis, a amostra não incluída pode ser aquela que contém a maioria dos hormônios.

  • O meu estado de espírito realmente pode afetar meus resultados?

    Sim, porque as catecolaminas são liberadas pelas glândulas adrenais em resposta ao estresse. Se você estiver ansioso ou com medo, a concentração de catecolaminas pode elevar-se.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Fontes usadas na última revisão deste artigo

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 987-990.

Wu, A. (2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, Fourth Edition. Saunders Elsevier, St. Louis, Missouri. Pp 226-230.

Pacak, K. et. al. (2007 March 21). Pheochromocytoma: Recommendations for Clinical Practice from the First International Symposium. Medscape from Nature Clinical Practice Endocrinology & Metabolism [On-line information]. Available online at http://www.medscape.com/viewarticle/553428 through http://www.medscape.com. Accessed on 8-24-08.

Sweeney, A. et. al. (2007 September 11, Updated). Pheochromocytoma. eMedicine [On-line information]. Available online at http://www.emedicine.com/med/TOPIC1816.HTM through http://www.emedicine.com. Accessed on 8-24-08.

Van Voorhees, B. (2007 May 17, Updated). Catecholamines – urine. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003613.htm. Accessed on 8-24-08.

Van Voorhees, B. (2007 January 22, Updated). Catecholamines – blood. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003561.htm. Accessed on 8-24-08.

Nanda, R. (2006 September 11, Updated). Pheochromocytoma. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000340.htm. Accessed on 8-24-08.

Levy, A. (2006 May 22, Updated). Neuroblastoma. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/001408.htm. Accessed on 8-24-08.

Fontes usadas em revisões anteriores

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

Martell, B. Updated (2003 May 20, Updated). Catecholamines – blood. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003561.htm.

Webner, D. Updated (2003 August 18, Updated). Catecholamines – urine. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003613.htm.

Brose, M. Updated (2004 August 3, Updated). Pheochromocytoma. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000340.htm.

(2002 December, Reviewed). Pheochromocytoma. UrologyHealth.org [On-line information]. Available online at http://urologyhealth.org/adult/index.cfm?cat=02&topic=114 through http://urologyhealth.org.

(© 2005). Catecholamines, Plasma and Urine Free. ARUP's Guide to Clinical Laboratory Testing [On-line information]. Available online at http://www.arup-lab.com/guides/clt/tests/clt_a141.jsp#1059229 through http://www.arup-lab.com.

(1998 May 27, Updated) Adrenal Medullary Hormones. Colorado State University, Hypertexts for Biological Sciences [On-line hypertextbook]. Available online at http://arbl.cvmbs.colostate.edu/hbooks/pathphys/endocrine/adrenal/medhormones.html through http://arbl.cvmbs.colostate.edu.