Também conhecido como
Gama-glutamil transpeptidase
GGTP
Gama GT
GTP
Nome formal
Gama-glutamil transferase
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
22 de Maio de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para diagnóstico diferencial entre doença hepática e óssea como causa de elevação da fosfatase alcalina (ALP). Algumas vezes, como auxiliar na detecção de doença hepática e/ou alcoolismo.

Quando fazer este exame?

Em pacientes com sintomas de distúrbios hepáticos ou no acompanhamento de quem tenha aumento nos níveis de ALP (fosfatase alcalina).

Amostra:

Amostra de sangue retirada de uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Os níveis de GGT caem depois das refeições. Portanto, é melhor colher a amostra após jejum de 8 horas.

O que está sendo pesquisado?

Esse teste mede o nível no sangue da gama-glutamil transferase (GGT), uma enzima encontrada em muitos órgãos como rins, fígado, baço e pâncreas. A principal fonte de GGT no sangue é o fígado.

A GGT está aumentada na maioria das doenças que provoquem dano agudo no fígado ou nos dutos biliares, mas não é útil para distinguir entre as diferentes causas de lesão hepática. Por esse motivo, o uso de GGT é controverso e as diretrizes publicadas pela National Academy of Clinical Biochemistry (Academia Nacional de Bioquímica Clínica), dos Estados Unidos, e pela American Association for the Study of Liver Diseases (Associação Americana de Estudos das Doenças Hepáticas) não recomendam o uso rotineiro de GGT. Nessas diretrizes sugere-se que o exame é útil para determinar a causa de aumento da fosfatase alcalina (ALP), outra enzima hepática.

Os níveis no sangue de GGT são muito sensíveis a alterações na função hepática. Normalmente, a GGT está presente em níveis baixos, mas quando há lesão hepática eles sobem. A GGT geralmente é a primeira enzima hepática a aumentar quando qualquer dos dutos hepáticos que transporta bile do fígado para os intestinos é obstruído, por exemplo, por tumor ou cálculo. Consequentemente, esse teste enzimático hepático é o mais sensível para detectar problemas nos dutos biliares. Entretanto, o teste de GGT não é muito específico e não é útil para diferenciar entre as diversas causas de dano hepático porque pode estar elevado em muitas doenças hepáticas, como câncer e hepatite viral, assim como em quadros não hepáticos como síndrome coronariana aguda.

Tanto a GGT quanto a ALP aumentam nas doenças hepáticas, mas apenas a ALP sobre com doenças que afetam o tecido ósseo. Assim, a GGT pode ser usada para acompanhar pacientes com ALP elevada a fim de auxiliar a determinar se esse aumento resulta de doença hepática ou de doença óssea.

Os níveis de GGT algumas vezes aumentam com o consumo de quantidades pequenas de álcool. Os níveis encontrados em casos de alcoolismo mais grave são maiores do que aqueles observados em indivíduos que consomem menos de duas a três doses por dia ou que bebem muito apenas ocasionalmente (socialmente). O teste de GGT pode ser usado na investigação de pacientes para alcoolismo agudo ou crônico.

Como a amostra é obtida para o exame?

Amostra de sangue retirada de uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Os níveis de GGT podem diminuir depois das refeições. Portanto, a coleta de sangue deve ser feita após jejum de 8 horas.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    A dosagem da gama-glutamil transferase (GGT) pode ser usada para determinar a causa da elevação de doenças hepáticas. Tanto a ALP como a GGT estão aumentadas na doença biliar e em algumas doenças hepáticas, mas apenas a ALP se eleva na doença óssea. Se a GGT estiver normal em um indivíduo com elevação da ALP, a provável causa será doença óssea.

    A dosagem de GGT algumas vezes é usada como auxiliar da detecção de doença hepática e de obstrução biliar. Geralmente, é solicitada em conjunto com os testes de função hepática ou após estes, como ALT, AST, ALP e bilirrubina. Em geral, níveis aumentados de GGT indicam que está havendo lesão hepática mas sem especificar exatamente que doença está causando o dano. Embora o aumento na dosagem de GGT possa ser provocada por lesão hepática, também pode ser causada por consumo de álcool e/ou outros quadros, como insuficiência cardíaca congestiva.

    A GGT pode ser usada para triagem de alcoolismo crônico (apresenta-se elevada em cerca de 75% dos consumidores crônicos). Algumas vezes, o teste é usado para monitorar o consumo normal ou abusivo em indivíduos em tratamento para alcoolismo ou hepatite alcoólica.

  • Quando o exame é pedido?

    A dosagem de GGT é solicitada quando alguém se apresenta com níveis elevados de ALP. O teste de ALP pode ser solicitado como rotina dentro do perfl hepático para triagem de dano hepático, mesmo quando não houver sintomas presentes. Se os resultados indicarem aumento da ALP, mas os demais testes para avaliação da função hepática, como AST e ALT, estiverem normais, o exame de GGT pode ser feito para ajudar a determinar a fonte de aumento da ALP: doença óssea ou doença hepática.

    A GGT pode ser solicitada junto ou após outros testes de função hepática quando o indivíduo apresentar sinais ou sintomas sugestivos de doença hepática como:

    • Fraqueza, fadiga
    • Perda de apetite
    • Náusea e vômitos
    • Dor ou aumento da circunferência abdominal
    • Icterícia
    • Urina colúrica e fezes claras
    • Prurido

    A GGT aumenta na maioria das doenças que produzem lesão hepática aguda ou aos dutos biliares, mas geralmente não ajuda a distinguir entre as diferentes causas de lesão hepática. Por esse motivo, o uso de GGT é controverso e as diretrizes publicadas pela National Academy of Clinical Biochemistry (Academia Nacional de Bioquímica Clínica), dos Estados Unidos, e pela American Association for the Study of Liver Diseases (Associação Americana de Estudos das Doenças Hepáticas) não recomendam o uso rotineiro de GGT. Essas diretrizes sugerem que o teste pode ser útil para determinar a causa de aumento da ALP.

    A GGT pode ser dosada em indivíduos com história de alcoolismo que tenham completado o tratamento a fim de monitorar a adesão ao programa.

  • O que significa o resultado do exame?

    A elevação na GGT indica que algo está produzindo lesão no fígado, mas sem especificar a causa. Em geral, quanto maior a dosagem, maior é a lesão produzida. Níveis elevados podem ser provocados por doença hepática, mas há outras causas possíveis como insuficiência cardíaca congestiva e consumo de álcool. Níveis aumentados de GGT ajudam a afastar as doenças ósseas como possíveis causas de aumento da ALP.

    Se a GGT estiver normal ou baixa, é provável que o aumento da ALP seja provocado por doença óssea. Níveis normais ou baixos também indicam que é improvável que o indivíduo seja portador de doença hepática ou tenha consumido bebidas alcoólicas.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Quantidades ainda que pequenas de álcool consumidas nas 24 horas antes do teste de GGT podem provocar aumento temporário da enzima. Se isso ocorrer, é provável que o médico repita o teste.

    O nível de GGT pode aumentar na insuficiência cardíaca. Alguns estudos demonstram que os indivíduos com aumento nos níveis de GGT apresentam maior risco de morrer por doença cardíaca, mas as razões para essa associação não foram esclarecidas.

    Dentre os medicamentos que podem causar aumento da GGT estão fenitoína, carbamazepina e barbitúricos, como o fenobarbital. O uso de outros medicamentos, com ou sem prescrição médica, incluindo anti-inflamatórios não hormonais (AINH), redutores de colesterol, antibióticos, bloqueadores de histamina (usados no tratamento de produção excessiva de ácido no estômago), antifúngicos, antidepressivos e hormônios, como testosterona, pode aumentar os níveis de GGT.

    O tabagismo também eleva a GGT.

    Os níveis de GGT aumentam em mulheres idosas, mas não nos homens. Estão sempre um pouco mais elevados nos homens em comparação com as mulheres.

  • O resultado de gama-glutamil transferase (GGT) pode estar aumentado mesmo em quem não tem qualquer sintoma?

    Sim. A GGT é muito sensível e essa elevação pode ser temporária, talvez provocada por medicamentos ou por consumo de bebidas alcoólicas nas 24 horas anteriores ao teste. Se as outras enzimas hepáticas estiverem normais, o médico irá aguardar e repetir o teste de GGT. Se o resultado estiver muito alto e as outras enzimas hepáticas apresentarem níveis normais, talvez o médico escolha aprofundar a investigação para esclarecer a causa.

  • Eu sou alcoóIatra, mas deixei de beber. Minha GGT algum dia voltará ao normal?

    Com o passar do tempo, a dosagem da GGT cairá, independentemente do nível que tenha atingido quando deixou de beber, até chegar a um estado próximo do normal. É necessário cerca de um mês para que a GGT volte ao normal após parar de beber. A abstinência de álcool reduzirá as chances de aumentarem os danos ao fígado e permitirá que as funções hepáticas melhorem.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Sources Used in Current Review

Tietz Textbook of Clinical Chemistry and Molecular Diagnostics. Burtis CA, Ashwood ER and Bruns DE, eds. 4th ed. St. Louis, Missouri: Elsevier Saunders; 2006 Pg 613.

Pagana K, Pagana T. Mosby's Manual of Diagnostic and Laboratory Tests. 3rd Edition, St. Louis: Mosby Elsevier; 2006, Pp. 259-260.

Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (2006). Contemporary Practice in Clinical Chemistry. AACC Press, Washington, DC, Pg. 271.

Carey, W (January 1, 2009). Approach to the Patient with Liver Disease: A Guide to Commonly Used Liver Tests, Cleveland Clinic. Available online at http://www.clevelandclinicmeded.com/medicalpubs/diseasemanagement/hepatology/guide-to-common-liver-tests/ through http://www.clevelandclinicmeded.com. Accessed September 2009.

Henry's Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods. 21st ed. McPherson RA and Pincus MR, eds. Philadelphia: 2007, Pp 86, 275.

(2000) Dufour, DR et al. National Academy of Clinical Biochemistry Standards of Laboratory Practice: Laboratory Guidelines for Screening, Diagnosis and Monitoring of Hepatic Injury. Available online at http://www.aacc.org/SiteCollectionDocuments/NACB/LMPG/hepatic/hepatic_combined.pdf#page=3 through http://www.aacc.org.

Sources Used in Previous Reviews

Mayo 2001 Test Catalog, Mayo Medical Laboratories, Rochester, MN, 2000 Mayo Press.

Worman, H (1998). Common Laboratory Tests in Liver Diseases. Columbia University Health Sciences. Available online at http://cpmcnet.columbia.edu/dept/gi/labtests.html through http://cpmcnet.columbia.edu.

Johnston, D (April 15, 1999). Special Considerations in Interpreting Liver Function Tests. American Family Physician: American Academy of Family Physicians. Available online at http://www.aafp.org/afp/990415ap/2223.html through http://www.aafp.org.

Riley, T (November 1, 2001). Preventive Strategies in Chronic Liver Disease: Part I. Alcohol, Vaccines, Toxic Medications and Supplements, Diet and Exercise. American Family Physician: American Academy of Family Physicians. Available online at http://www.aafp.org/afp/20011101/1555.html through http://www.aafp.org.

British Liver Trust Information Service (Last update September, 10 2001). Cirrhosis. British Liver Trust. Available online at http://www.britishlivertrust.org.uk/publications/cirrhosis.html through http://www.britishlivertrust.org.uk.

MEDLINEplus (October 3, 2001). Medical Encyclopedia: ESR. U.S. National Library of Medicine, Bethesda, MD. MEDLINEplus. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003638.htm.

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber's Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (1999). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 4th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

Dufour DR, et al. Diagnosis and monitoring of hepatic injury - I. Characteristics of laboratory tests. Clin Chem 2000; 46:2027-2049.