Também conhecido como
Teste de gravidez
hCG qualitativo
hCG quantitativo
Beta-hCG
hCG total
Beta- hCG total
Nome formal
Gonadotropina Coriônica Humana
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
22 de Maio de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para confirmar e monitorar uma gravidez ou para auxiliar o diagnóstico e monitoramento da doença trofoblástica ou tumor de células germinativas.

Quando fazer este exame?

Após dez dias da detecção da falta do período menstrual (alguns métodos podem detectar o hCG até mais cedo, em uma semana após a concepção) ou se um médico suspeita que os seus sintomas sugerem gravidez ectópica, doença trofoblástica ou tumores de células germinativas.

Amostra:

Amostra colhida da primeira urina da manhã ou amostra de sangue retirada de uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Nenhum preparo é necessário. Entretanto, não se deve ingerir grandes quantidades de líquido antes de colher a amostra de urina porque se ela estiver muito diluída pode fornecer resultado falso negativo.

O que está sendo pesquisado?

O hCG é uma proteína produzida na placenta de uma mulher grávida. Um teste de gravidez é um teste específico do sangue ou urina que pode detectar o hCG e confirmar a gravidez. Esse hormônio pode ser detectado dez dias após a ausência de menstruação esperada, período de tempo em que o ovo fertilizado é implantado no útero da mulher. Com alguns métodos, o hCG pode ser detectado ainda mais cedo, uma semana após a concepção.

Durante as primeiras semanas de gravidez, o hCG é importante para manter a função do corpo lúteo. A produção de hCG aumenta de modo constante durante o primeiro trimestre (oito a dez semanas), com um pico em torno da décima semana após o último ciclo menstrual. Os níveis, então, caem lentamente durante o restante da gravidez. O hCG já não é mais detectável em poucas semanas após o parto. Essa proteína também é produzida por alguns tumores de células germinativas. Ela se apresenta com níveis elevados na doença trofoblástica.

Como a amostra é obtida para o exame?

O hCG é comumente detectado na urina. O espécime preferido é uma amostra aleatória de urina colhida da primeira urina da manhã. Também pode ser medido no sangue retirado de uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Nenhuma preparação para o teste é necessária. Entretanto, não se deve ingerir grandes quantidades de líquido antes de colher a amostra de urina para o teste porque se ela estiver muito diluída pode fornecer resultado falso negative.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

     O teste  hCG qualitativo é rotineiramente utilizado para confirmar a gravidez. O teste hCG quantitativo (também frequentemente chamado de beta-hCG) mede a quantidade real de hCG presente no sangue. Ele pode ser solicitado para auxiliar a diagnosticar uma gravidez ectópica, para ajudar a diagnosticar e monitorar uma gravidez que não está evoluindo bem ou para monitorar uma mulher após um aborto.  Além disso, um teste de hCG quantitativo pode ser solicitado para diagnosticar doença trofoblástica ou tumores de células germinativas dos testículos ou ovários. Pode ser solicitado em intervalos regulares para monitorar a eficácia do tratamento para essas condições e para detectar a recorrência de um tumor.

  • Quando o exame é pedido?

    Um teste de hCG qualitativo na urina ou sangue é solicitado cerca de dez dias após a ausência da menstruação na data esperada e se uma mulher deseja confirmar se está grávida ou não (alguns métodos podem detectar o hCG ainda mais precocemente, uma semana após a concepção). Em algumas pacientes podem ser feitos diversos testes sanguíneos de hCG quantitativos, por vários dias, para descartar uma gravidez ectópica ou para monitorá-las após um aborto. O médico também poderá solicitar um teste de hCG quantitativo quando suspeitar de doença trofoblástica ou da presença de tumores de células germinativas.

  • O que significa o resultado do exame??

    Em mulheres não grávidas, os níveis de hCG são normalmente indetectáveis. No início da gravidez, os níveis de hCG no sangue dobram a cada dois ou três dias. As gestações ectópicas geralmente levam mais tempo para dobrar os níveis de hCG. Gestações que não estão evoluindo bem, frequentemente também levam mais tempo para dobrar ou podem mostrar níveis decrescentes de concentrações de hCG. Estas cairão rapidamente após um aborto. Se o hCG não cai para níveis indetectáveis, isto pode indicar a permanência de um tecido produtor de hCG que deverá ser removido.

    O hCG também é utilizado para monitorar o tratamento de pacientes com doença trofoblástica e para detectar doença recorrente após o término do tratamento. Durante a terapia, uma queda nos níveis de hCG indica que o câncer está respondendo ao tratamento, enquanto níveis ascendentes indicam que a doença não está respondendo à terapia. Níveis elevados de hCG após o tratamento podem indicar recorrência da doença.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Os testes realizados muito precocemente na gravidez, antes de haver um nível significativo de hCG, podem fornecer resultados falso negativos, enquanto a presença de sangue ou proteína na urina podem levar a resultados falso positivos. Testes de hCG na urina podem fornecer um resultado falso negativo em urina muito diluída. Os pacientes não devem ingerir grande quantidade de líquido antes de colher a amostra de urina para um teste de gravidez.

    Algumas drogas, como os diuréticos e a prometazina (anti-histamínico) também podem provocar resultados falso negativos na urina. Outros medicamentos, como anticonvulsivantes, drogas antiparkinsonianas, hipnóticos e tranquilizantes podem provocar resultados falso positivos.

    Há relatos de hCG sérico falso positivo devido a vários compostos diferentes (que não são drogas) que podem interferir no teste. Esses incluem alguns tipos de anticorpos que podem estar presentes em alguns indivíduos e fragmentos da molécula de hCG. Geralmente, se os resultados são questionáveis, eles podem ser confirmados através de exames realizados por um método diferente.

  • Como o teste que eu faço sozinha em casa pode ser comparado ao resultado de um exame realizado em um laboratório?

    Os testes de gravidez realizados em casa são muito semelhantes ao exame de hCG qualitativo na urina feito no laboratório, mas há alguns fatores relacionados que são importantes assinalar.

     

    • Os testes realizados em casa vêm com orientações bem específicas que devem ser seguidas explicitamente. Se você está utilizando um teste feito em casa, siga as orientações com o máximo de cuidado.
    • Os testes realizados em casa  são geralmente feitos muito precocemente após a ausência da menstruação, o que pode prejudicar a obtenção do resultado verdadeiramente positivo; leva-se dez dias após a concepção até que a presença do hCG possa ser detectado em um teste na urina. É por isso que, algumas vezes, o teste realizado em casa é negativo e o exame feito por seu médico é positivo – o teste do médico é, em geral, realizado vários dias depois, quando os níveis de hCG se tornam detectáveis.
    • Todo teste hCG qualitativo na urina deveria ser feito com uma amostra da primeira urina da manhã. A urina se torna mais diluída após a ingestão de líquidos (café, suco, água etc) e as concentrações de hCG nela podem se tornar muito baixas para serem percebidas como positivas.

    Geralmente, quando utilizado corretamente, o teste realzado em casa deve produzir o mesmo resultado que o exame de hCG na urina feito pelo laboratório. O teste hCG qualitativo no sangue pode ser mais sensível que o de hCG na urina. Portanto, algumas vezes, um teste no sangue indica gravidez quando o feito na urina é negativo. O teste hCG quantitativo necessita de uma amostra de sangue e deve ser realizado no laboratório.

  • O que é uma gravidez ectópica?

    Uma  gravidez ectópica ocorre quando um ovo fertilizado (blastocisto) se implanta em algum outro local que não o útero. É uma condição séria que necessita de tratamento imediato. Pacientes com gravidez ectópica frequentemente apresentam dor abdominal e sangramento uterino. Em geral, níveis anormalmente baixos de hCG são produzidos em gestações ectópicas com velocidades de aumento abaixo do normal.

  • Quando um teste hCG no sangue é solicitado em vez do hCG na urina?

    O teste hCG no sangue mede, na verdade, a quantidade de hCG. O hCG na urina é utilizado para detectar a presença do hCG. Como essa proteína não é normalmente detectada na urina de mulheres que não estão grávidas, a presença do hCG na urina é suficiente para confirmar uma gravidez. Algumas vezes, é importante saber o quanto de hCG está presente para avaliar a suspeita de gravidez ectópica ou para monitorar uma mulher após um aborto. Nesses casos, o médico solicitará a dosagem de  hCG no sangue.

  • Quantos dias após um aborto levará para um teste de gravidez na urina mostrar um resultado negativo?

    O hCG na urina desaparece aproximadamente com a mesma velocidade que o hCG sérico, o que pode levar em torno de nove a 35 dias, com uma mediana de 19 dias. Entretanto, o prazo para que um resultado de hCG se torne negativo depende do seu nível no momento do aborto. Frequentemente, abortos são monitorados com o teste de hCG quantitativo no sangue. Se os níveis de hCG não caem para valores indetectáveis, algum tecido produtor de hCG permaneceu e deverá ser removido.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas

 

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

S3
(2003 June 23). Free Beta-Subunit of Human Chorionic Gonadotropin (Free b-hCG) Enzyme Immunoassay Test Kit [20 paragraphs]. BioCheck, Inc. [On-line package insert]. Available online: http://www.biocheckinc.com/inserts/bc-1023_fbhcg.pdf

S4
Newberger, D. (2000 August 15). Down Syndrome: Prenatal Risk Assessment and Diagnosis [23 paragraphs]. American Family Physician [On-line journal]. Available online: http://www.aafp.org/afp/20000815/825.html

S5
Qin, Q., et. al. (2002). Point-of-Care Time-resolved Immunofluorometric Assay for Human Pregnancy-associated Plasma Protein A: Use in First-Trimester Screening for Down Syndrome [Pages 1-3 of 20]. Clinical Chemistry 48:473-483 [On-line journal]. Available online: http://www.clinchem.org/cgi/content/full/48/3/473

S6
(2000). Down Syndrome Screening [7 paragraphs]. NTD Laboratories, Inc. [On-line information]. Available online: http://www.ntdlabs.com/dscreen.html

S7
Hoffman, B. and Johnson, J. (2004). Toronto’s Mount Sinai Hospital offers First-Trimester Screening Across Ontario [10 paragraphs]. Healthcare Quarterly 7(2) Available online: http://www.mountsinai.on.ca/Resources/HQ72MtSinaiProfile.pdf

S8
Paralloi, A. (August 13, 2003, Edited) Second Trimester Maternal Serum Screening Programmes for the Detection of Down's Syndrome [62 paragraphs]. Geneva Foundation for Medical Education and Research [On-line information, 8th Post Graduate Course]. Available online

S9
First Trimester Prenatal Screening [7 paragraphs]. Alfigen, The Genetics Institute, Laboratory Services [On-line information]. Available online: http://www.alfigen.com/laboratory_4_3.html

S10
(2004). Germ Cell Tumors: Beta-Human Chorionic Gonadotropin [6 paragraphs]. Specialty Laboratories, Use and Interpretation of Laboratory Tests, Books [On-line information]. Available online: http://oncology.specialtylabs.com/books/display.asp?id=544

S11
(1999 March 18). Prenatal Program Pushes the Frontiers of Diagnosis [29 paragraphs]. Cedars-Sinai Medical Center [On-line News release]. Available online: http://www.newswise.com/p/articles/view?id=PREDIAG.CED

S12
Free beta hCG [I-125] IRMA kit (RK-820CT) - coated tube [36 paragraphs]. IZOTOP [On-line test information]. Available online: http://www.izotop.hu/print/rk820c.htm

S13
Beta-hCG, Serum Quantitative [4 paragraphs]. ARUP’s Guide to Clinical laboratory Testing [On-line information]. Available online: http://www.arup-lab.com/guides/clt/tests/clt_al98.jsp#1145363

S14
Spencer, K. What is Free Beta hCG [12 paragraphs]. Down Syndrome Screening Research [On-line information]. Available online: http://ourworld.compuserve.com/homepages/kevin_spencer/freebeta.htm

S15
Ultra-Screen First Trimester Prenatal Screening [12 paragraphs]. Center for Medical Genetics [On-line brochure]. Available online: http://www.geneticstesting.com/pdfs/UltraScreen_Brochure.pdf

S16
Vankrieken, L., et. al. (2000). HCG and Subunits: DPC Assay Specificities and Clinical Utility in Obstetrical Care and Oncology [14 paragraphs]. Immulite [DPC Technical Report]. PDF for download

S17
Framarin, A. (2003) First-trimester prenatal screening for Down syndrome and other aneuploidies [pages vii-xiii of 105 pages]. Agence d’e’valuation des technologies et des modes d’intervention en sante’ [On-line report, Quebec]. PDF for download

S18
(2000). What is Ultra-Screen [18 paragraphs]. NTD Laboratories, Inc. [On-line information]. Available online: http://www.ntdlabs.com/ultraphys.html

S19
Shaskan, J. (2004 May 31). Amniocentesis and CVS Tests Decline Despite Increase in Number of Older Mothers [4 paragraphs]. ACOG [On-line news release]. Available online: http://www.acog.org/from_home/publications/press_releases/nr05-31-04-1.cfm

S20
Wu, A. (2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, Fourth Edition. Saunders Elsevier, St. Louis, Missouri. Pp 252-255.