Nome formal
Hemocultura
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
26 de Maio de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para detectar uma infecção sistêmica; para detectar e identificar micro-organismos no sangue.

Quando fazer este exame?

Quando há sinais ou sintomas de sepse, como febre de origem desconhecida, calafrios, fadiga e elevação da contagem de leucócitos.

Amostra:

Duas ou mais amostras de sangue colhidas em intervalos determinados, em geral, de veias diferentes.

É necessária alguma preparação?

Nenhuma

O que está sendo pesquisado?

A hemocultura detecta bactérias e fungos no sangue. Infecções na corrente sanguínea são provocadas com maior frequência por bactérias (bacteriemia), mas também podem ser causadas por fungos ou por vírus. Se o sistema imunológico de uma pessoa não consegue conter uma infecção em seu local de origem, como a bexiga ou os rins em infecções urinárias, ela pode se disseminar pela corrente sanguínea para todo o corpo, infectando outros órgãos e evoluir para uma infecção sistêmica, com risco de vida.

Os termos septicemia e sepse são muitas vezes usados como sinônimos. Há quem defina septicemia como uma infecção do sangue, e sepse como a reação a essa infecção.

Endocardite (inflamação e infecção do revestimento e das valvas do coração) pode resultar de uma infecção da corrente sanguínea. Cirurgias para troca de valvas cardíacas e para implante de próteses articulares estão associadas a um risco maior, ainda que pequeno, de sepse. Pessoas com imunidade comprometida por algumas doenças, como leucemias ou HIV/AIDS, ou por uso de medicamentos imunossupressores, como as submetidas a quimioterapia, também têm um risco aumentado. Bactérias e fungos podem ser introduzidos acidentalmente na circulação durante infusões intravenosas ou no uso de cateteres venosos ou de drenos cirúrgicos.

As amostras de sangue para cultura são colhidas em frascos com nutrientes que estimulam o crescimento de micro-organismos que usam oxigênio (aeróbios) ou que se desenvolvem em ambientes com pouco oxigênio (anaeróbios). São colhidas diversas amostras em momentos diferentes e de veias diferentes, para facilitar a detecção de organismos em pequena quantidade ou que são liberados de modo intermitente na corrente sanguínea e para garantir que os organismos detectados não sejam meros contaminantes. As hemoculturas são incubadas durante vários dias. Em muitos laboratórios, o processo é automatizado e usa instrumentos que detectam um crescimento mínimo, o que permite acelerar a identificação de bactérias e de fungos.

Quando uma hemocultura é positiva, o micro-organismo é identificado e são feitos testes de sensibilidade a antibióticos para orientar o tratamento.

Como a amostra é obtida para o exame?

Em geral, são colhidas duas a três amostras de sangue em momentos diferentes e de veias diferentes, para aumentar a probabilidade de um resultado positivo e para distinguir patógenos de bactérias da pele que podem contaminar a cultura durante a colheita.

O sangue é colhido por punção venosa. O local da punção é limpo com álcool e com solução de iodo, e deve estar seco antes da colheita. É usual colher cerca de 20 mL de sangue, que é colocado em dois frascos de cultura, um para aeróbios e outro para anaeróbios. A colheita em crianças é feita do mesmo modo, mas em quantidades menores.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Nenhuma preparação é necessária.
Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Hemoculturas são usadas para detectar a presença de bactérias ou fungos no sangue, para identificar os micro-organismos presentes e orientar o tratamento. Em geral, são pedidas duas ou mais hemoculturas e colhidas como amostras consecutivas. Com frequência, o médico pede também um hemograma para determinar se a pessoa tem aumento da contagem de leucócitos no sangue, indicando uma possível infecção. Podem ser feitos outros exames, como culturas de urina, de escarro ou de líquido cefalorraquiano, para identificar a origem da infecção inicial, quando a pessoa tem sintomas associados com infecção urinária, pneumonia, ou meningite.

  • Quando o exame é pedido?

    O médico pode pedir hemoculturas quando uma pessoa está com sintomas de sepse, o que indica que bactérias, fungos ou seus produtos tóxicos estão causando danos ao organismo. Um paciente com sepse pode apresentar:

    • Febre, calafrios
    • Náuseas
    • Respiração rápida, batimento cardíaco rápido
    • Confusão
    • Diminuição da produção de urina

    Sintomas mais graves podem incluir inflamação por todo o corpo e formação de muitos coágulos em vasos sanguíneos menores. Um ou mais órgãos podem começar a parar de funcionar e ocorrer queda perigosa da pressão arterial.

    Há um risco maior de infecções sistêmicas após uma infecção, um procedimento cirúrgico ou tratamento imunossupressor recentes, e é adequado fazer a colheita de hemoculturas quando há sintomas. Hemoculturas são colhidas com frequência de recém-nascidos e bebês, que podem não apresentar os sinais e sintomas típicos de sepse.

  • O que significa o resultado do exame?

    Hemoculturas positivas significam que há bactérias ou fungos na corrente sanguínea, que precisam de tratamento imediato, geralmente em um hospital. sepse pode ser fatal, especialmente em pacientes imunodeprimidos. O médico pode iniciar o tratamento com antibióticos de largo espectro intravenosos, eficazes contra um grande número de bactérias, enquanto aguarda o resultado das hemoculturas. Após obtê-los, o tratamento pode ser alterado para antibióticos mais específicos contra a bactéria identificada, de acordo com os testes de sensibilidade a antibióticos.

    Resultados positivos podem ser falsos positivos, por contaminação da cultura com bactérias da pele. Antes de tomar decisões, o médico avalia os resultados das diversas hemoculturas e o estado clínico do paciente.

    Se os resultados de diversas hemoculturas forem negativos, é improvável que haja sepse. Entretanto, se os sintomas persistirem, como febre persistente, devem ser consideradas outras possibilidades, como:

    • Alguns micro-organismos têm dificuldade de crescimento em hemoculturas comuns e precisam de meios de cultura especiais para crescimento e identificação.
    • Vírus não são detectados por hemoculturas. Quando há suspeita de uma virose, devem ser feitos outros exames, de acordo com a suspeita clínica do médico.

    Resultados de outros testes correlacionados com os das hemoculturas podem indicar sepse apesar das hemoculturas estarem negativas. Alguns desses testes incluem:

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    A disseminação de sepse pelo corpo causa diversos sintomas. Septicemia pode provocar queda da pressão arterial (choque), aumento da frequência cardíaca e diminuição do fluxo de sangue para o cérebro, o coração e os rins. Os componentes da coagulação do sangue podem se alterar provocando coagulação intravascular disseminada e hemorragias. Bactérias do sangue podem invadir articulações causando artrite séptica.

    Em janeiro de 2008, foi aprovado um teste rápido que pode detectar Staphylcoccus aureus resistente à meticilina (MRSA) no sangue. O MRSA é de difícil tratamento e sua identificação rápida no sangue pode ser muito útil.

  • Por que tenho que tomar antibióticos durante tanto tempo, se já me sinto melhor?

    É importante eliminar todas as bactérias que estão causando o problema. Para algumas infecções, são necessárias várias semanas de tratamento. Isto é especialmente importante quando a pessoa tem endocardite, que exige semanas de tratamento antibiótico.

  • Por que os resultados da hemocultura demoram tanto?

    Bactérias e fungos devem crescer em meios de cultura antes que possam ser detectados e identificados. Em geral, isso ocorre em alguns dias, mas alguns micro-organismos precisam de mais tempo para crescer.

  • Por que o médico solicitou mais hemoculturas após a colheita de culturas iniciais?

    Hemoculturas adicionais podem ser colhidas para acompanhar o tratamento ou se não forem detectadas bactérias nas primeiras amostras, apesar dos sinais e sintomas de sepse.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Fontes usadas na revisão atual

Pagana, K. D. & Pagana, T. J. (© 2007). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 172-173.

Wu, A. (© 2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, 4th Edition: Saunders Elsevier, St. Louis, MO. Pp 1532-1535.

Forbes, B. et. al. (© 2007). Bailey & Scott's Diagnostic Microbiology, 12th Edition: Mosby Elsevier Press, St. Louis, MO. Pp 778-797.

Shapiro, N. et. al. (2008 November 06). Who Needs a Blood Culture? A Prospective Derived and Validated Prediction Rule. Medscape from the Journal of Emergency Medicine [On-line information] Available online at http://www.medscape.com/viewarticle/581631 through http://www.medscape.com. Accessed May 2009.

Smith, D. S. (Updated 2007 December 03). Blood Culture. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003744.htm. Accessed May 2009.

Barenfanger, J. et. al. (2009 January 27). Decreased Mortality Associated With Prompt Gram Staining of Blood Cultures. Medscape from American Journal of Clinical Pathology [On-line information]. Available online at http://www.medscape.com/viewarticle/585709 through http://www.medscape.com. Accessed May 2009.

Cunha, B. (2008 August 1). Sepsis, Bacterial. eMedicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/234587-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed May 2009.

Weil, M. H. (Revised 2007 December). Sepsis and Septic Shock. Merck Manual for Healthcare Professionals [On-line information]. Available online at http://www.merck.com/mmpe/sec06/ch068/ch068a.html through http://www.merck.com. Accessed May 2009.

Anderson-Berry, A. et. al. (Updated 2008 November 6). Neonatal Sepsis. eMedicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/978352-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed May 2009.

Diab, M. et. al. (2008 May 28). Rapid Identification of Methicillin-Resistant Staphylococci Bacteremia Among Intensive Care Unit Patients. Medscape Today from The Medscape Journal of Medicine [On-line information]. Available online at http://www.medscape.com/viewarticle/572647 through http://www.medscape.com. Accessed May 2009.

(January 2, 2008) US Food and Drug Administration. Press Release: FDA Clears First Quick Test For Drug-Resistant Staph Infections. Available online at http://www.fda.gov/NewsEvents/Newsroom/PressAnnouncements/ucm161552.htm through http://www.fda.gov. Accessed July 2009.

Fontes usadas em revisões anteriores

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber's Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

Bonow, R. (Committee Member) et. al. (1998). ACC/AHA Guidelines for the Management of Patients With Valvular Heart Disease -- IV. Evaluation and Management of Infective Endocarditis -- A. Antimicrobial Therapy. American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines (Committee on Management of Patients With Valvular Heart Disease) [On-line report]. Available online at http://216.185.112.5/presenter.jhtml?identifier=9500 through http://216.185.112.5.

Medical Encyclopedia. Sepsis. Drkoop.com [On-line information]. Available online at http://www.drkoop.com/conditions/ency/article/000666.htm through http://www.drkoop.com.

Bailey and Scott's Diagnostic Microbiology, 10th ed. (1998) B.A. Forbes, D.F. Sahm, and A. S. Weissfeld (ed.), Mosby, Inc. Pg. 283-304.