Nome formal
Anticorpos IgM e IgG anti-Sarampo; Anticorpos IgM e IgG anti-Caxumba; Isolamento viral ou reação em cadeia da polimerase em tempo real (RT-PCR) de amostras de swab bucal, saliva e líquor
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
24 de Maio de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para diagnosticar infecção por sarampo ou caxumba; a sorologia permite avaliar se o indivíduo apresenta imunidade ao sarampo ou à caxumba devido a infecção prévia ou vacinação; para confirmar um caso de sarampo ou caxumba.

Quando fazer este exame?

Quando o médico suspeita que o indivíduo apresenta sintomas ou complicações relacionadas à infecção por sarampo ou caxumba; avaliar a resposta a infecção ou a imunização por sarampo ou caxumba.

Amostra:

Uma amostra de sangue é coletada de uma veia do braço para o exame de sarampo ou caxumba; para detectar o vírus, a amostra pode ser de sangue, urina, lavado da nasofaringe, swab de faringe, swab da mucosa das bochechas (swab bucal), líquido cefalorraquidiano ou outro tecido corporal.

É necessária alguma preparação?

Não é necessário preparo para o exame.

O que está sendo pesquisado?

Sarampo e caxumba são membros da família de vírus Paramyxoviridae. Ambos provocam doenças em crianças de todo o mundo, que podem ser evitadas pela vacinação. A vacinação reduziu drasticamente o número de indivíduos afetados pelo sarampo nos Estados Unidos e em outros países, mas a Organização Mundial de Saúde (OMS) ainda lista o sarampo como uma das principais causas de morte em crianças pequenas. Estima-se que o sarampo acomete mais de 20 milhões de indivíduos por ano e é responsável por quase 200.000 mortes, principalmente em crianças menores de cinco anos de idade. Estes números consideram os esforços que levaram à vacinação de 576 milhões de crianças em países de alto risco, de 2000 a 2007, e uma diminuição do número de mortes por sarampo correspondente a 74% durante o mesmo período. A vacinação para caxumba, uma doença mais branda, não é tão amplamente difundida, ainda é endêmica em várias regiões do mundo.

De acordo com os Centers for Disease Control and Prevention (CDC), o número de casos de sarampo nos EUA caiu cerca de 900.000 em 1941 para menos de 150 casos por ano desde 1997; no entanto, em 2011, houve mais de 150 casos entre janeiro e julho. A incidência de infecção por caxumba teve uma diminuição similar de centenas de milhares de casos por ano nos EUA para centenas. A redução foi devida a programas de vacinação abrangentes contra sarampo e caxumba. Embora estejam disponíveis vacinas para cada um dos vírus, as vacinas combinadas, como a MMR (SRC ou "tríplice viral"), que protege simultaneamente contra sarampo, caxumba e rubéola, são utilizadas com frequência. Nos últimos anos, a maioria dos novos casos nos EUA, tem ocorrido em epidemias ocasionais, principalmente em indivíduos que não foram vacinados, especialmente aqueles que viajaram para regiões no mundo onde o sarampo e a caxumba são mais prevalentes. Em 2009-2010, houve um surto de caxumba, com relato de 3.000 casos. Em 2011 na Europa, um surto de sarampo notificou 6.500 casos em 33 países. Devido ao risco de viajantes difundirem o sarampo, surtos como estes são de atenção para os CDC, os EUA e as comunidades médicas da Europa.

Sarampo é uma infecção viral altamente contagiosa, que é transmitida por secreções das vias aéreas. As células pulmonares e as da garganta são infectadas pelo vírus, provocando sintomas como febre alta, tosse seca, olhos vermelhos, sensibilidade à luz, coriza, dor de garganta, pequenas manchas brancas no interior da boca e, erupção cutânea característica, que normalmente começa no rosto e se espalha pelo corpo, para o tronco e pernas. A maioria dos indivíduos se recupera em duas semanas, mas até 20% desenvolvem complicações que podem incluir infecção de ouvido, bronquite, pneumonia, diarréia, encefalite ou cegueira. Indivíduos desnutridos, com deficiência de vitamina A ou com o sistema imunológico comprometido, geralmente, são acometidos mais gravemente. Gestantes, quando infectadas com sarampo, apresentam maior risco de aborto ou parto prematuro.

Caxumba é uma infecção viral transmitida por secreções das vias aéreas ou pela saliva. Após 2 a 3 semanas de período de incubação, o indivíduo infectado, normalmente, desenvolve sintomas de gripe, com dor de cabeça, dor muscular e febre, seguidos de parotidite característica – edema das glândulas salivares que ficam abaixo das orelhas (parótida). Para a maioria das pessoas, a caxumba é uma doença leve auto-limitada, mas algumas podem desenvolver complicações, como surdez, inflamação dos testículos (orquite) ou ovários (ooforite), pancreatite, meningite ou encefalite.

Exames para sarampo e caxumba, compreendem de detecção de anticorpos no sangue. O exame de reação em cadeia da polimerase em tempo real (RT-PCR) pode ser realizado para confirmar e investigar a origem de infecções por sarampo. Este exame é usado para detectar o vírus do sarampo e determinar sua cepa genética. Os exames para caxumba por RT-PCR, apesar de menos comuns, também podem ser realizados. A escolha do exame depende da fase da doença em que o indivíduo se encontra. Por exemplo, logo no início da infecção, o exame de escolha pode ser de detecção do vírus por cultura ou PCR, enquanto que para infecções tardias, o exame para anticorpos fornece resultados mais confiáveis.

Como a amostra é obtida para o exame?

A amostra necessária depende se o exame está sendo realizado para identificar a presença de anticorpo ou detectar o vírus. Para realizar a sorologia (pesquisa de anticorpos) é necessário  a amostra de sangue de uma veia do braço. O isolamento de vírus pode ser realizada a partir de várias amostras, entre elas, sangue, urina, lavado de nasofaringe, swab de faringe, swab da mucosa das bochechas (swab bucal), líquido cefalorraquidiano ou outros tecidos corporais.

O swab de nasofaringe é coletado após reclinar a cabeça do paciente para trás e gentilmente inserir o swab estéril em uma narina, até encontrar resistência. Após inserir o swab na narina girar várias vezes para coletar células e retirar. Este procedimento não é doloroso, mas pode ser um pouco desagradável. Na aspiração nasal é usada uma seringa para inserção de uma pequena quantidade de solução salina estéril dentro do nariz e, então, é aplicada uma sucção suave para coleta do líquido resultante.

A fim de avaliar completamente um caso de suspeita de sarampo, os CDC recomendam coleta sanguínea, bem como de amostras para exame por RT-PCR.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Antes da coleta de swab bucal para caxumba, massagear a glândula salivar localizada à frente e sob a orelha (glândula parótida). Para outras amostras, não é necessário preparo para o exame.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Exames para sarampo e caxumba são usados, principalmente, para confirmar que o indivíduo é imune aos vírus, devido a uma infecção prévia ou vacinação. Geralmente, os médicos diagnosticam o sarampo e a caxumba com base em achados clínicos característicos.

    Os exames realizados em casos suspeitos são usados para confirmar o diagnóstico de uma infecção ativa ou recente e, pode ser exigido para fins de saúde pública, especialmente se os sintomas típicos não estão presentes. Também pode ser solicitado em conjunto a outros exames para diferenciar entre as diferentes causas de complicações, como na investigação de meningite ou edema de glândulas salivares encontradas abaixo e à frente das orelhas (parotidite), que também podem ser causadas por infecções bacterianas.

    Os exames genéticos (RT-PCR) são usados para confirmar casos suspeitos de sarampo e investigar a origem da infecção. Isto é realizado para identificar e tratar os surtos e  também monitorar a presença e o movimento das cepas genéticas do sarampo nos EUA e por todo o mundo. Este tipo de exame também pode ser realizado para o vírus da caxumba.

    Existem vários métodos de detecção de infecção de sarampo ou caxumba:

    Exames Sorológicos (identificação de anticorpos)
    Anticorpos anti sarampo e caxumba são proteínas específicas produzidas pelo sistema imunológico em resposta a uma infecção pelo vírus do sarampo ou caxumba ou em resposta à vacinação. Existem dois tipos de anticorpos: IgM e IgG. O primeiro tipo a surgir no sangue após a exposição ou vacinação é o anticorpo IgM. Os níveis de anticorpos IgM aumentam por vários dias, até uma concentração máxima e, em seguida, começam a desaparecer ao longo das próximas semanas. Os anticorpos IgG demoram um pouco mais para surgir, mas quando isso acontece, eles permanecem na corrente sanguínea por toda a vida, promovendo proteção contra re-infecção.

    Isolamento viral (detecção)
    O isolamento do vírus visa encontrar o vírus do sarampo ou da caxumba em uma amostra de secreção corporal. Isto pode ser realizado por detecção do material genético do vírus (RT-PCR).

    O exame genético do vírus (RT-PCR) detecta e identifica a cepa genética do vírus. Este exame é frequentemente solicitado para confirmar e avaliar casos ativos suspeitos de sarampo ou caxumba. A maioria dos exames por RT-PCR é realizada em laboratórios de saúde pública e nos Centers for Disease Control and Prevention (CDC).

    O exame de detecção do vírus pode, ocasionalmente, ser realizado para identificar a causa de complicações graves, que podem estar associadas a uma infecção pelo vírus do sarampo ou caxumba. Indivíduos imunossuprimidos podem não apresentar uma resposta normal de anticorpos e pode ser realizado exame para detectar material genético do vírus, para confirmar o diagnóstico de infecção por caxumba ou sarampo, especialmente se os resultados de exames sorológico não corresponderem aos achados clínicos ou à suspeita médica.

  • Quando o exame é pedido?

    Sorologia para sarampo ou caxumba anticorpos IgM e IgG podem ser solicitadas quando o indivíduo apresenta sinais e sintomas característicos ou quando o médico suspeitar que o indivíduo apresenta infecção atual ou recente por sarampo ou caxumba. 

    O anticorpo IgG para sarampo ou caxumba pode ser solicitado, sempre que o médico quiser determinar se o indivíduo é imune a um ou ambos os vírus, ou devido a uma infecção anterior ou devido à vacinação. Os anticorpos IgM são detectáveis 1 a 2 dias após o início do exantema, e os títulos de IgG sobem significativamente depois de 10 dias.

    O RT-PCR pode ser realizado sempre que o médico quiser detectar o vírus e confirmar uma infecção por sarampo ou caxumba, como a causa de sintomas ou complicações apresentados pelo indivíduo, e, quando se justifica uma investigação da origem de uma infecção. Estes exames, normalmente, são solicitados no início da infecção. 

    Os sinais e sintomas do sarampo surgem entre 7-18 dias após a exposição e, geralmente, incluem uma ou mais das seguintes características:

    • Uma erupção característica, que geralmente começa no rosto e se espalha pelo corpo, para o tronco e pernas
    • Febre alta
    • Tosse seca
    • Olhos vermelhos
    • Sensibilidade à luz
    • Coriza
    • Dor de garganta
    • Pequenas manchas brancas no interior da boca

    A maioria dos indivíduos se recupera em duas semanas, mas até 20% desenvolvem complicações que podem incluir otite, bronquite, pneumonia, diarréia, encefalite ou cegueira.

    Os sintomas de caxumba, normalmente, se desenvolvem após 2 a 3 semanas do período de incubação e, muitas vezes, se assemelham aos sintomas de gripe, como:

    • Dor de cabeça
    • Dores musculares
    • Febre
    • Estes são seguidos de edema característico das glândulas salivares abaixo de uma ou ambas as orelhas, denominado parotidite.

    A caxumba é, na maioria das vezes, uma doença leve auto-limitada, mas alguns indivíduos podem desenvolver complicações, como surdez, inflamação de testículos (orquite) ou ovários (ooforite), pancreatite, meningite ou encefalite.

  • O que significa o resultado do exame?

    Exames Sorológicos (identificação de anticorpos)

    Quando anticorpos IgM para sarampo e caxumba estão presentes no indivíduo que não foi vacinado recentemente é provável que ele apresente uma infecção aguda por sarampo ou caxumba. Quando ambos os anticorpos, IgM e IgG, estão presentes ou com concentração quatro vezes aumentada entre os exames de anticorpos IgG de fase aguda e convalescente, é provável que o indivíduo apresente uma infecção por sarampo ou caxumba aguda ou recente.

    Quando anticorpos IgG para sarampo ou caxumba estão presentes em um indivíduo que tenha sido vacinado e/ou que não está doente no momento, então ele está protegido contra infecção (imune). Se o indivíduo não apresenta anticorpos IgG para sarampo ou caxumba, então ele não é considerado imune aos vírus (suscetível). Isto pode acontecer porque o indivíduo não foi exposto aos vírus, porque o IgG não teve tempo de ser produzido ou porque o indivíduo não apresenta uma resposta normal de anticorpos.

    A tabela a seguir resume os resultados que podem ser observados com o exame de anticorpos:

    IgM

    IgG

    Possível(is) Interpretação(ções)

    Positivo

    Negativo

    Infecção inicial (aguda)

    Positivo

    Positivo (com aumento dos níveis entre as amostras aguda e convalescente; isto só seria realizado se o exame IgM não estiver disponível)

    Infecção atual ou recente

    Negativo

    Positivo

    Imunidade por infecção anterior ou vacinação

    Negativo

    Negativo

    Sem infecção atual ou prévia; não imune (suscetível) ; nenhuma ou baixa resposta imune devido a sistema imunológico comprometido

    Isolamento viral (detecção):
    Se o vírus do sarampo ou caxumba é detectado em pesquisa de vírus ou exame para material genético viral, então o indivíduo apresenta uma infecção viral aguda.

    Se uma cepa específica do vírus do sarampo ou caxumba é identificada, então essa cepa genética é responsável pela infecção e deve representar a localização do indivíduo examinado. Esta informação pode ser usada para auxiliar a determinar a origem da infecção por sarampo ou caxumba – como viagem recente a um país específico ou exposição recente a outro indivíduo com infecção ativa. O resultado do exame genético para sarampo ou caxumba é usado pelos CDC para monitorar o movimento dos vírus, para identificar surtos e evitar sua propagação.

    Se os vírus do sarampo ou caxumba não forem identificados no exame de detecção viral, isso não significa, necessariamente, que o indivíduo não apresente uma infecção ativa. O vírus pode estar presente em quantidade baixa demais para ser detectado ou pode não estar presente na amostra examinada.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    A vacina para sarampo, caxumba, rubéola (MMR ou SRC ou "tríplice viral"), contém formas vivas atenuadas (enfraquecidos) dos vírus. Indivíduos com sistema imunológico enfraquecido, gestantes ou mulheres que planejam engravidar nos próximos meses, não devem receber a vacina.

    A vacina tetravalente viral que inclui a imunização contra a varicela (catapora), além de sarampo, caxumba e rubéola é recomendada em dose única, para crianças de 15 meses a 23 meses e 29 dias.

  • If I have measles or mumps and develop complications, will they go away once the infection resolves?

    In most cases they will, but some complications, such as blindness, deafness, and rarely tissue or organ damage, may be permanent. The swelling of testicles (orchitis) that is sometimes seen with mumps can occasionally cause sterility.

  • When do people typically get measles and mumps vaccinations?

    Two doses of the MMR vaccine are needed for full protection. Children are given the first dose of MMR vaccine at 12 to 15 months of age and a booster immunization is typically given before the start of kindergarten at 4 to 6 years of age.

  • Should everyone be tested for measles and mumps immunity?

    A test to document antibody response to the MMR vaccine is not recommended since most people mount an antibody response to the viruses in the vaccine. There are several common situations, such as entry to a university, where you may need to provide proof that you have had the measles and mumps infections, or that you have had two MMR vaccinations, or you have immunity to measles and mumps infection.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Pagana, K. D. & Pagana, T. J. (© 2007). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 829.

Wu, A. (© 2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, 4th Edition: Saunders Elsevier, St. Louis, MO. Pp 1582-1583, 1585.

Forbes, B. et. al. (© 2007). Bailey & Scott's Diagnostic Microbiology, 12th Edition: Mosby Elsevier Press, St. Louis, MO. Pp 730, 739, 758.

(Reviewed 2008 August) Vaccines and Preventable Diseases: Measles Vaccination. Centers for Disease Control and Prevention [On-line information]. Available online at http://www.cdc.gov/vaccines/vpd-vac/measles/ through http://www.cdc.gov. Accessed August 2009.

Mayo Clinic Staff (2009 June 2). Measles. MayoClinic.com [On-line information]. Available online at http://www.mayoclinic.com/health/measles/DS00331/METHOD=print through http://www.mayoclinic.com. Accessed August 2009.

Parker, A. and Uzicanin, A. (2009 July 27). Measles (Rubeola). Centers for Disease Control and Prevention, Travelers' Health – Yellow Book, Chapter 2 The Pre-Travel Consultation, Routine Vaccine-Preventable Diseases [On-line information]. Available online at http://wwwn.cdc.gov/travel/yellowbook/2010/chapter-2/measles.aspx through http://wwwn.cdc.gov. Accessed August 2009.

Kutty, P. et. al. (2009 July 27). Centers for Disease Control and Prevention, Travelers' Health – Yellow Book, Chapter 2 The Pre-Travel Consultation, Routine Vaccine-Preventable Diseases [On-line information]. Available online at http://wwwn.cdc.gov/travel/yellowbook/2010/chapter-2/mumps.aspx through http://wwwn.cdc.gov. Accessed August 2009.

(Revised 2008 December). Measles. World Health Organization [On-line information]. Available online at http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs286/en/index.html through http://www.who.int. Accessed August 2009.

Vorvick, L. (Updated 2008 July 15). Mumps. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/001557.htm. Accessed August 2009.

Dugdale, D. (Updated 2008 June 19). MMR – vaccine. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/002026.htm. Accessed August 2009.

Vorvick, L. (Updated 2008 September 7). Orchitis. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/001280.htm. Accessed August 2009.

Currie, D. (2008 November 18). Childhood Vaccination Rates High, but Measles Re-emerging. Medscape from The Nations Health [On-line information]. Available online at http://www.medscape.com/viewarticle/582282 through http://www.medscape.com. Accessed August 2009.

Carmody, K. and Sinert, R. (Updated 2009 March 23). Mumps. eMedicine Emergency Medicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/784603-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed August 2009.

Dyne, P. et. al. (Updated 2007 December 20). Pediatrics, Measles. eMedicine Emergency Medicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/802691-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed August 2009.