Também conhecido como
Subclasses de LDL
Subfrações de LDL
Subclasses de HDL
Subfrações de HDL
Nome formal
Perfil de Subfrações de Lipoproteínas
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
24 de Maio de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para ajudar a avaliar seu risco de desenvolver doença arterial coronariana (DAC).

Quando fazer este exame?

Se você tem uma história pessoal e/ou familiar de doença arterial coronariana (DAC) ou doença vascular periférica em uma idade precoce. Se o médico está avaliando seu risco de desenvolver doença cardíaca. Algumas vezes para ajudar a monitorar a eficácia de um tratamento para redução de lipídeos e/ou mudanças no estilo de vida.

Amostra:

Amostra de sangue retirada de uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Jejum de nove a 12 horas antes do exame.

O que está sendo pesquisado?

Os testes de subfrações de lipoproteínas separam duas das frações de lipoproteínas mais comumentes medidas – HDL (Lipoproteína de Alta Densidade, chamada de "bom colesterol") e LDL (Lipoproteína de Baixa Densidade, chamada de "mau colesterol") – em subfrações com base em seu tamanho, densidade e/ou carga elétrica. Alguns testes também identificam subfrações de VLDL (Lipoproteína de Muito Baixa Densidade, também considerada um "mau colesterol").

As lipoproteínas são um grupo de partículas que é responsável pelo transporte de lipídeos por todo o corpo. Cada partícula contém uma combinação de moléculas de proteínas, colesterol, triglicerídeos e fosfolípides. A composição da partícula se altera à medida que circula no sangue – algumas moléculas são removidas e outras adicionadas.  O resultado desse processo dinâmico é um espectro de partículas de lipoproteínas de LDL, HDL e VLDL que variam de grandes e menos densas (com grande proporção de triglicerídeos) a pequenas e densas (com alta proporção de proteínas).

Alguns estudos demonstraram que as partículas de LDL pequenas e densas têm maior probabilidade de causar a aterosclerose do que as partículas de LDL menos densas e leves. Os pesquisadores acreditam que a presença de LDL pequena e densa poderia ser uma das razões pelas quais algumas pessoas sofrem ataques cardíacos, embora suas concentrações de colesterol total e colesterol LDL não sejam particularmente elevadas. É por esse motivo que o LDL é chamado de "mau colesterol". Acredita-se, também, que as partículas de VLDL pequenas e densas aumentem o risco de aterosclerose. Entretanto, os dados não são claros se os testes para subfrações fornecem informação adicional sobre o risco cardíaco de uma pessoa ou se os resultados de tais testes devem afetar as decisões sobre o tratamento.  São necessárias mais pesquisas clínicas para determinar se há algum valor em testar as subfrações de lipoproteínas e como os resultados podem ser utilizados.

Um resumo do projeto de diretrizes dos Biomarcadores Emergentes de Doença Cardiovascular e AVC da Academia Nacional de Bioquímica Clínica dos Estados Unidos afirma: “Subclasses de lipídeos, especialmente o número ou concentração de partículas de LDL pequenas e densas demonstraram estar relacionadas ao desenvolvimento de eventos de doença cardíaca coronária inicial, mas a análise dos dados dos estudos existentes não são em geral adequadas para demonstrar benefício adicional em relação a avaliação do risco padrão. Há dados insuficientes de que a determinação de subclasses de lipídeos ao longo do tempo seja útil para avaliar os efeitos de tratamentos”.  (Veja Fontes do Artigo).

Embora pouco se saiba sobre as subclasses de HDL, alguns estudos iniciais demonstraram que partículas de HDL menos densas e grandes podem fornecer mais proteção contra aterosclerose do que partículas de HDL pequenas e densas.

O número de partículas pequenas e densas de LDL, VLDL e HDL que uma pessoa possui é parcialmente determinado geneticamente, parcialmente devido ao gênero (homens tendem a ter mais LDL e HLD pequenos do que mulheres) e parcialmente devido ao estilo de vida e ao estado geral de saúde de uma pessoa. Algumas doenças e condições, como diabetes e hipertensão, são associadas a níveis aumentados de LDL pequeno e denso.

Vários métodos são utilizados para determinar as subfrações de lipoproteínas. Esses incluem a ultracentrifugação (separação por densidade), eletroforese (separação por carga e tamanho) e espectroscopia por RMN (ressonância magnética nuclear), que conta o número de partículas em cada subfração. Até recentemente, esses métodos eram muito caros e tecnicamente exigentes para serem utilizados comercialmente, mas os testes de subfrações de lipoproteínas começaram a ser oferecidos em alguns grandes laboratórios e laboratórios de referência.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é obtida inserindo-se uma agulha em uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Jejum de nove a 12 horas antes do teste ou como solicitado pelo medico.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Os testes de subfrações de lipoproteína não são rotineiramente solicitados, mas sua utilização está aumentando. Eles podem fornecer informações úteis na avaliação de risco em pacientes que têm história pessoal ou familiar de doença cardíaca precoce, especialmente se os valores de colesterol total e colesterol LDL não forem significativamente elevados. Os testes de subfrações de LDL são mais comuns do que os de subfrações de VLDL ou HDL, uma vez que o LDL foi identificado como principal fator de risco e, por isso, mais pesquisas e desenvolvimentos têm se concentrado em sua determinação.

    Os testes de subfrações são comumente realizados em conjunto com um perfil lipídico. As subfrações são geralmente expressas como proporções relativas ou percentagens de LDL, VLDL e/ou HDL.

    Como as subfrações podem ser afetadas por tratamentos para lipídeos e/ou mudanças de estilo de vida, o teste de subfrações de LDL também pode ser ocasionalmente pedido para monitorar a eficácia do tratamento na diminuição do número de partículas de LDL pequenas e densas.

  • Quando o exame é pedido?

    Os testes de subfrações de lipoproteínas podem ser solicitados como parte de uma avaliação global de risco cardíaco quando uma pessoa tem uma história pessoal ou familiar de doença arterial coronariana (DAC) precoce, especialmente quando ela não apresenta fatores de risco típicos, como colesterol elevado, LDL elevado, triglicerídeos elevados, HDL baixo, tabagismo, obesidade, inatividade, diabetes e/ou hipertensão.

    Quando um paciente com uma grande proporção de partículas de LDL pequenas e densas se submete a um tratamento para redução de lipídeos ou mudanças de estilo de vida, omédico pode solicitar os testes de subfrações de lipoproteínas de LDL, em conjunto com outros testes lipídicos, para monitorar a eficácia do tratamento.

    Embora não seja geralmente recomendado como um teste de triagem, alguns médicos solicitam o teste de subfrações de lipoproteínas em conjunto com uma bateria de outros testes de risco cardíaco quando eles desejam determinar o risco total de um paciente desenvolver DAC.

  • O que significa o resultado do exame?

    Em geral, o resultado é interpretado como um perfil lipídico e seu risco associado. Se o paciente apresenta principalmente LDL pequena e densa, esse achado irá aumentar o risco de desenvolver doença arterial coronariana (DAC) acima e além do risco associado ao LDL total. Por outro lado, a presença exclusivamente de LDL grande e menos densa não acrescentará nenhum risco adicional. A interpretação de subfrações de VLDL é semelhante. Entretanto, esse quadro é mais complexo com as subfrações de HDL e não há consenso em como incluir esses achados na avaliação do risco. Em geral, considera-se que a presença de HDL grande e menos densa oferece maior proteção do que de HDL pequena e densa.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    É importante lembrar que os testes de subfrações de lipoproteínas (e outros testes lipídicos e testes de fatores de risco cardíacos) não são diagnósticos. Eles procuram avaliar o risco estatístico de um paciente desenvolver doença arterial coronariana (DAC), mas não podem prever o desenvolvimento ou a gravidade de DAC em um paciente específico.

    Os resultados dos testes de subfrações de lipoproteínas refletem o método e os modelos de resultados, bem como os valores totais de colesterol LDL, VLDL, e/ou colesterol HDL. Como diferentes métodos separam as subclasses com base em diferentes propriedades físicas (tamanho, densidade e/ou carga elétrica), os resultados podem não ser diretamente comparáveis método a método ou laboratório a laboratório.

  • Como eu posso alterar minhas subfrações de lipoproteínas?

    Embora exista um componente genético, as subfrações de lipoproteínas podem ser alteradas com a adoção de uma dieta com baixo teor de gorduras saturadas, perda do excesso de peso e exercícios regulares. A utilização de medicamentos para redução de lipídeos também pode afetar a distribuição das subfrações.

  • O que é VLDL?

    A Lipoproteína de Muito Baixa Densidade (VLDL) é uma das três principais partículas de lipoproteínas. As outras são a Lipoproteína de Alta Densidade (HDL) e a Lipoproteína de Baixa Densidade (LDL). Cada uma dessas partículas contém uma mistura de colesterol, proteínas e triglicerídeos, mas em quantidades variáveis específicas para cada tipo de partícula. A LDL contém a maior quantidade de colesterol, a HDL a maior quantidade de proteínas e a VLDL a maior de triglicerídeos. Como a VLDL contém a maior parte dos triglicerídeos circulantes e como as composições das diferentes partículas são relativamente constantes, é possível estimar a quantidade de colesterol VLDL dividindo-se o valor dos triglicerídeos (em mg/dL) por 5. Atualmente, não há um modo simples e direto de medir o colesterol VLDL, portanto, o cálculo estimado a partir dos triglicerídeos é utilizado na maioria das definições. Esse cálculo não é válido quando os triglicerídeos são maiores que 400 mg/dL. Níveis elevados de colesterol VLDL estão associados a um risco aumentado de doença cardíaca e derrame.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.                                        

 

Fontes usadas nas revisões mais recentes

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 602-605.

Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (2006). Contemporary Practice in Clinical Chemistry, AACC Press, Washington, DC. 253-258.

Mudd, J. et. al. (2007 October 29). Beyond Low-Density Lipoprotein Cholesterol -- Defining the Role of Low-Density Lipoprotein Heterogeneity in Coronary Artery Disease. Journal of the American College of Cardiology 50(18):1735-1741. Available online through http://www.medscape.com/. Accessed on 3/8/08.

Navab, M. et. al. (2006 October 20). Mechanisms of Disease: Proatherogenic HDL-An Evolving Field. Nat Clin Pract Endocrinol Metab. 2006;2(9):504-511. Available online through http://www.medscape.com/. Accessed on 3/8/08.

CCMDweb.org. Clinical Insights. Available online through: http://www.ccmdweb.org/clinicalinsights. Accessed May 2008.

The National Academy of Clinical Biochemistry. Laboratory Medicine Practice Guidelines, Emerging Biomarkers of Cardiovascular Disease and Stroke, Draft Guidelines, Version 0906, summary. PDF available for download. Accessed May 2008.

Fontes usadas em revisões anteriores

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

Landray, M. et. al (2002 January 2). Abnormal low-density lipoprotein subfraction profile in patients with untreated hypertension. Association of Physicians Q J Med 2002; 95: 165-171. Available online at http://qjmed.oupjournals.org/cgi/content/full/95/3/165 through http://qjmed.oupjournals.org

Bioletto, S. et. al. (2000 February). Acute hyperinsulinemia and very-low-density and low-density lipoprotein subfractions in obese subjects. American Journal of Clinical Nutrition, Vol. 71, No. 2, 443-449. Available online at http://www.ajcn.org/cgi/content/full/71/2/443 through http://www.ajcn.org

(Winter 2004). The Fats of Life, 7 Articles. Lipoproteins and Vascular Diseases Division, AACC, Volume XVIII, Vol 1. PDF available for download at http://www.aacc.org/divisions/lipids/winter04.pdf through http://www.aacc.org

(2002). LDL Subfractions. Specialty Laboratories [On-line test information]. PDF available for download at http://laboratory.specialtylabs.com/education/download_PDF/TN_LDLsub.pdf.

(2004). LDL Subclasses. ARUP’s Guide to Clinical Laboratory Testing. Available online at http://www.arup-lab.com/guides/clt/tests/clt_a34b.jsp through http://www.arup-lab.com

Warnick, G. and Cheung, M. (2000). Measurement and Clinical Significance of High-density Lipoprotein Cholesterol Subclasses. Chapter 15 (Handbook of Lipoprotein of Lipoprotein Testing, AACC Press). Available online at http://www.warnick.biz/dextransulfate/Chapter15.htm through http://www.warnick.biz

Muniz, N., et. al. (2000). A New Tool for the Automated Analysis of LDL Subfraction Patterns Generated by the Lipoprint™ LDL System. Paper presented at The Frontiers in Lipoprotein and Vascular Disease, St Louis, MO. PDF available for download at http://www.4qc.com/pdf/frontiers.pdf.