Também conhecido como
Sed Taxa
Taxa de Sedimentação
Taxa de Sedimentação - Westergren
Nome formal
Velocidade de hemossedimentação
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
26 de Maio de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para detectar a presença de inflamação causada por uma ou mais doenças/estados clínicos como infecções, tumores ou doenças autoimunes. Para auxiliar no diagnóstico e monitoração de doenças/estados clínicos específicos, entre elas arterite temporal, vasculites sistêmicas, polimialgia reumática ou artrite reumatoide.

Quando fazer este exame?

Quando médico achar que o indivíduo possa ter alguma doença/estado clínico que provoque inflamação. Quando o paciente apresentar sinais e sintomas associados a arterite temporal, vasculites sistêmicas, polimialgia reumática ou artrite reumatóide, tais como dores de cabeça, dores no pescoço ou no ombro, dor pélvica, anemia, falta de apetite, perda de peso inexplicada e rigidez articular.

Amostra:

Uma amostra de sangue é retirada de uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Nenhuma preparação é necessária.

O que está sendo pesquisado?

A velocidade de hemossedimentação (VHS ou sed taxa) é um teste que mede indiretamente o grau de inflamação presente no organismo. O teste realmente mede a taxa de queda (sedimentação) de eritrócitos (glóbulos vermelhos) em uma amostra de sangue que tenha sido colocada dentro de um tubo vertical alto e fino. Os resultados são apresentados em milímetros do fluido claro (plasma) encontrado na porção superior do tubo, após uma hora.

Quando a amostra de sangue é colocada no tubo, os glóbulos vermelhos normalmente sedimentam de maneira relativamente lenta, deixando pouco plasma claro. As células vermelhas sedimentam em uma taxa mais rápida na presença de um nível aumentado de proteínas, especialmente aquelas denominadas proteínas de fase aguda. O nível destas, como Proteína C-reativa (PCR) e fibrinogênio, aumenta no sangue em resposta a inflamação.

A inflamação é parte da resposta imune do organismo. Pode ser aguda, desenvolvendo-se rapidamente após um trauma, lesão ou infecção por exemplo, ou pode ocorrer por um tempo prolongado (crônica) na presença de doenças/estados clínicos como doenças autoimunes ou câncer.

A VHS não traz diagnóstico. É um teste não específico que pode estar aumentado em diversas doenças/estados clínicos. Ele fornece informações gerais sobre a presença ou ausência de doença/estado clínico inflamatório.

Houve dúvida sobre a utilidade da VHS à luz de testes mais novos que entraram em uso e são mais específicos. No entanto, o teste VHS é normalmente indicado para diagnóstico e acompanhamento de arterite temporal, vasculites sistêmicas e polimialgia reumática. A VHS extremamente aumentada é útil no desenvolvimento de diagnóstico diferencial da doença reumática. Além disso, ela ainda pode ser uma boa opção em algumas situações, quando, por exemplo, os testes mais recentes não estiverem disponíveis em regiões com recursos limitados ou no acompanhamento da evolução de uma doença.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é colhida de uma veia no braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não é necessário preparo

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    A velocidade de hemossedimentação (VHS ou sed taxa) é um teste relativamente simples, de baixo custo e não específico, que tem sido utilizado há muitos anos no auxílio da detecção de inflamação associada a doenças/estados clínicos, incluindo infecções, cânceres e doenças autoimunes.

    É um teste não específico porque um resultado elevado, muitas vezes indica a presença de inflamação, mas não diz ao médico exatamente onde ela está localizada no organismo, ou o que a está causando. A VHS pode ser afetada por outras doenças/estados clínicos além da inflamação. Por esta razão, a VHS é normalmente utilizada em conjunto com outros testes, como a Proteína C-reativa.

    A VHS é usada para auxiliar no diagnóstico de certas doenças inflamatória específicas, arterite temporal, vasculites sistêmicas e polimialgia reumática. Um teste de VHS significativamente elevado é um dos principais resultados utilizados para apoiar o diagnóstico.

    Este exame também pode ser usado para monitorar a atividade da doença e a resposta à terapêutica, em ambas as doenças acima referidas, bem como algumas outras, incluindo lúpus sistêmico eritematoso (LSE).

  • Quando o exame é pedido?

    A VHS pode ser solicitada quando há suspeita de uma doença/estado clínico provocar inflamação em alguma parte do organismo. Existem diversas doenças/estados clínicos inflamatórios que podem ser detectados por este teste. Por exemplo, pode ser solicitado quando há suspeita que a artrite esteja causando inflamação e dor nas articulações ou que sintomas digestivos são causados por doença inflamatória intestinal.

    O médico pode solicitar a VHS quando o indivíduo apresenta sintomas que sugerem polimialgia reumática, vasculites sistêmicas ou arterite temporal, como dores de cabeça, dores no pescoço ou no ombro, dor pélvica, anemia, falta de apetite, perda de peso inexplicada e rigidez articular. Também pode ser pedida periodicamente para auxiliar no acompanhamento da evolução dessas doenças.

    O médico pode querer repetir a VHS antes de realizar uma extensa pesquisa a procura de doença.

  • O que significa o resultado do exame?

    O resultado da VHS é apresentado em milímetros de fluído claro (plasma) presente na porção superior do tubo, após uma hora (mm/hr).

    Uma vez que a VHS é um marcador de inflamação não específico e é afetado por outros fatores, os resultados devem ser usados em conjunto com outros achados clínicos, histórico de saúde do indivíduo e resultados de outros testes laboratoriais. Se a VHS e os achados clínicos coincidirem, o médico pode ser capaz de confirmar ou descartar a suspeita diagnóstica.

    A VHS isoladamente aumentada, sem quaisquer sintomas de alguma doença específica, geralmente não traz informações suficientes para a tomada de decisão médica. Além disso, o resultado normal não exclui inflamação ou doença.

    Quando se apresenta moderadamente elevada ocorre com inflamação, mas também em anemia, infecção, gravidez e idade avançada.

    A VHS muito elevada geralmente tem uma causa óbvia, como infecção grave, marcada por aumento de globulinas, polimialgia reumática ou arterite temporal. O médico normalmente usará outros testes de acompanhamento, como as hemoculturas, dependendo dos sintomas do paciente. Indivíduos com mieloma múltiplo ou macroglobulinemia de Waldenström (tumores que produzem grande quantidade de imunoglobulinas), normalmente apresentam VHS bastante elevada, mesmo se não houver inflamação.

    Durante o acompanhamento da doença/estado clínico ao longo do tempo, a elevação das VHS pode indicar aumento da inflamação ou uma resposta fraca à terapia. A VHS normal ou decrescente pode indicar resposta adequada ao tratamento.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    A VHS baixa pode ser observada em doenças/estados clínicos que inibem a sedimentação normal de glóbulos vermelhos, como aumento na contagem de células vermelhas (policetemia), significativo aumento de contagem de células brancas (leucocitose) e algumas anomalias proteicas. Algumas alterações na forma das células vermelhas (como as células falciformes em anemia falciforme) também diminuem a VHS.

    Tanto a VHS quanto a proteína C-reativa (PCR) são marcadoras de inflamação. Geralmente, a VHS não se altera tão rapidamente quanto a PCR, seja no início da inflamação ou em sua resolução. A PCR não é afetada por tantos outros fatores quanto a VHS, e por isso é um marcador melhor de inflamação. No entanto, como o VHS é um teste de fácil execução, muitos médicos ainda o utilizam como exame inicial, quando acreditam que o paciente apresenta inflamação.

    Se a VHS estiver aumentada, normalmente é devido a dois tipos de proteínas: globulinas ou fibrinogênio. Dependendo da história médica do paciente, sinais, sintomas e as suspeitas do médico em relação à causa, ele poderá avaliar o nível de fibrinogênio (uma proteína de coagulação que é um outro marcador de inflamação) e eletroforese das proteínas séricas, para determinar qual dessas (ou ambas) estão provocando a elevação da VHS.

    Mulheres tendem a ter VHS mais elevada. Menstruação e gravidez podem provocar aumentos temporários.

    Em pediatria, o teste para VHS é utilizado para diagnóstico e acompanhamento de crianças com artrite reumatóide ou doença de Kawasaki.

    Medicações como dextrano, metildopa, contraceptivos orais, penicillamina procainamida, teofilina e vitamina A podem aumentar a VHS, enquanto a aspirina, cortisona e quinina podem diminuí-la.

    Há um teste rápido comercial disponível que realiza a VHS em 4 minutos por método de centrífugação. Ele está sendo utilizado mais amplamente para diminuir o tempo de espera para os pacientes, especialmente nos serviços de emergência.

  • Todas as pessoas deveriam realizar o VHS?

    Não. O VHS não é um teste específico — ele não indica qualquer doença/estado clínico — e pode ser afetado por diversos fatores, diferentes da inflamação. Assim, não é recomendável para uso em triagem de indivíduos sem sintomas ou em pessoas aparentemente saudáveis.

  • Além do VHS, quais outros testes meu médico poderá pedir?

    Seu médico poderá pedir um exame de proteína C-reativa (PCR), bem como outros exames gerais como perfil metabólico ampliado (PMA) ou hemograma completo (HC), em conjunto com a VHS. Testes adicionais que podem ser pedidos com base nos sintomas incluem fator antinuclear (FAN), fator reumatóide (FR), fibrinogênio ou eletroforese das proteínas séricas.

  • O que significam as alterações na minha VHS?

    Alterações na VHS podem indicar a presença ou redução da infecção ou inflamação. Se o indivíduo apresentar doença inflamatória crônica, a VHS pode flutuar, dependendo da gravidade ou da evolução clínica da doenças/estado clínicos.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
Brigden, M (October 1, 1999). Clinical Utility of the Erythrocyte Sedimentation Rate [25 paragraphs]. American Family Physician: American Academy of Family Physicians. Available FTP: http://www.aafp.org/afp/991001ap/1443.html

S2
Shojania, Kam (2000). Rheumatology: 2. What laboratory tests are needed? [44 paragraphs]. Canadian Medical Association Journal: CMAJ 2000, 162(8):1157-63. Available FTP: http://www.cma.ca/cmaj/vol-162/issue-8/1157.htm#ery

S3
MEDLINEplus (October 3, 2001). Medical Encyclopedia: ESR. U.S. National Library of Medicine, Bethesda, MD. MEDLINEplus. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003638.htm

S4
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S5
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (1999). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 4th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

S6
Zlonis M: The mystique of the erythrocyte sedimentation rate – a reappraisal of one of the oldest laboratory tests still in use. Clin Lab Med 1993;13:787-800.